sicnot

Perfil

Economia

PIB cresceu 1,4% em 2016

reuters

A economia portuguesa cresceu mais no ano passado do que o previsto pelo Governo e por Bruxelas.

Última atualização às 11:05

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, o PIB aumentou 1,4%, ainda assim menos 0,2 pontos percentuais que o verificado no ano anterior.

A estimativa rápida do INE conclui que, considerando o conjunto de 2016, "o contributo da procura interna para a variação do PIB diminuiu, refletindo a redução do investimento e, em menor grau, a desaceleração do consumo privado".

A procura externa líquida, por sua vez, apresentou um contributo "significativamente menos negativo que em 2015", acrescentou.

O INE informou ainda que no quatro trimestre do ano passado, o PIB registou, em termos homólogos, um aumento de 1,9% em volume. "Esta aceleração do PIB resultou do aumento do contributo da procura interna, observando-se uma recuperação do Investimento e um crescimento mais intenso do consumo privado".

O contributo da procura externa líquida foi negativo, contrariamente ao observado no trimestre anterior, "refletindo a aceleração mais acentuada das importações de bens e serviços em volume que a das exportações de bens e serviços", acrescenta.

Na segunda-feira, a Comissão Europeia reviu em alta a estimativa de crescimento do PIB português, prevendo que tenha subido 1,3%, um valor semelhante à média de previsões de analistas contactados pela agência Lusa, acima da previsão de 1,2% estimada pelo Governo no Orçamento do Estado para 2017 (em outubro).

A Comissão Europeia justificou a melhoria da previsão devido a um "forte desempenho na segunda metade do ano, particularmente no turismo", e no consumo privado, apesar da contração no investimento.

Com Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.