sicnot

Perfil

Economia

Governo vai "muito brevemente" amortizar dívida ao FMI

O ministro das Finanças afirmou hoje que o Estado vai "muito brevemente" amortizar parte da dívida ao FMI, acrescentando que Portugal está autorizado a devolver 1.700 milhões e que estas amortizações antecipadas não ameaçam o financiamento da República.

O governante, que está hoje a ser ouvido na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, afirmou que "o plano de financiamento da República continua a ser sustentado numa redução do endividamento ao Fundo Monetário Internacional" (FMI), recordando que, nos últimos dois meses de 2016, "foram feitos pagamentos de 2,5 mil milhões de euros" antecipadamente à instituição liderada por Christine Lagarde.

Mário Centeno avançou também que, do montante a que Portugal já está autorizado a devolver de forma antecipada ao FMI, "resta ainda utilizar 1.700 milhões de euros" e acrescentou que "muito brevemente vai ser amortizada mais uma parte da dívida ao FMI".

De acordo com o ministro, "nada foi feito que significasse um atraso nem colocasse em causa o financiamento da República Portuguesa" e estas devoluções antecipadas ao FMI são possíveis porque o executivo tem "canalizado os ganhos de liquidez do Estado, por exemplo os 'cocos' do BCP, para amortizar essa dívida".

Lusa


  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.