sicnot

Perfil

Economia

Nokia relança o 3310, o telemóvel "indestrutível"

TechRadar

Foi lançado pela primeira vez no ano de 2000 e ficou famoso pelo jogo "Snake", pela duração da bateria e pela sua indestrutibilidade. A Nokia deverá relançar o modelo este mês, em Barcelona, agora numa nova versão.

É talvez o telemóvel mais adorado na história da tecnologia e na sua nova versão vai custar 59€.

O novo 3310 deverá vir equipado com uma câmara PureView com 41 megapíxeis e flash de xénon. Chegará às lojas com a versão do Windows Phone 8 num processador dual-core de 1.5 GHz e 32 gigas de armazenamento. O ecrã, de três polegadas, terá uma resolução de 1280 por 768 píxeis.

Características que há 17 anos não faziam parte do modelo que, mesmo assim, se tornou um fenómeno mundial.

Os rumores surgiram na segunda-feira, quando o jornalista Evan Blass publicou no Twitter a notícia da possibilidade desta nova versão ser lançada este mês.

O "antigo" 3310 ainda pode ser comprado através da Amazon. Resta agora saber se a nova versão fará tanto sucesso como o seu antecessor.

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.