sicnot

Perfil

Economia

Portugal vai ao mercado para encaixar até 1.250 M€ em dívida de curto prazo

A dívida dos municípios, em 2014, totalizou 6234 milhões de euros, com uma redução de 488,5 milhões de euros, traduzindo-se na "menor dívida dos últimos oito anos", relacionada principalmente com fornecedores, explicou o presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA).

SIC

Portugal vai esta quarta-feira ao mercado para emitir até 1.250 milhões de euros em dois leilões de Bilhetes do Tesouro, com maturidades a três e 11 meses.

Em comunicado, o IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública informou na semana passada que realiza na manhã desta quarta-feira "dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro com maturidades em 19 de maio de 2017 e 19 de janeiro de 2018".

O montante indicativo global que a instituição liderada por Cristina Casalinho pretende arrecadar com estes leilões está entre os 1.000 milhões de euros e os 1.250 milhões de euros.

A última emissão de Bilhetes do Tesouro a três meses aconteceu em outubro do ano passado, altura em que foram colocados no mercado 350 milhões de euros com uma taxa de juro média de -0,012%.

Na mesma altura ocorreu também o último leilão de Bilhetes do Tesouro a 11 meses, tendo sido colocados 900 milhões de euros com uma taxa de juro de 0,006%.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.