sicnot

Perfil

Economia

Paulo Rodrigues da Silva vai ser o novo presidente da Bolsa de Lisboa

Paulo Rodrigues da Silva vai ser o novo presidente da Bolsa de Lisboa, de acordo com informação disponível esta sexta-feira na Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM).

Paulo Rodrigues da Silva vai substituir, a partir de março, depois de aprovadas as medidas regulatórias necessárias, Maria João Carioca, que renunciou ao cargo em dezembro para integrar o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, liderado por Paulo Macedo.

De acordo com informação disponibilizada pela Euronext e divulgada esta sexta-feira pela CMVM, Paulo Rodrigues da Silva tem uma carreira profissional extensa, tendo ocupado cargos em várias empresas, nomeadamente no Banco BPI, na Vodafone e na Caixa Geral de Depósitos (CGD), onde foi um dos administradores executiuvos de António Domingues.

"Estamos muito satisfeitos em acolher Paulo Rodrigues da Silva na nossa equipa. Estou confiante de que a sua vasta experiência nos sectores financeiro e tecnológico o tornam uma excelente escolha para cumprir o compromisso da Euronext no desenvolvimento das suas operações em Portugal", refere o presidente do Conselho de Administração da Euronext, Stéphane Boujnah, no comunicado.

Nesta nota, Stéphane Boujnah agradece ainda a contribuição de Maria João Carioca Rodrigues no trabalho da Euronext, desejando-lhe sorte nas suas novas funções.

Lusa

  • Paulo Rodrigues da Silva vai ser o novo presidente da Bolsa de Lisboa
    0:41

    Economia

    Paulo Rodrigues da Silva deverá ser o novo presidente da Bolsa de Valores de Lisboa. Foi o nome escolhido, mas ainda precisa de aprovação dos reguladores nacionais e internacionais. Vai substituir Maria João Carioca, que se demitiu para integrar a nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), depois de ter estado apenas seis meses à frente do mercado nacional.

  • Caixabank diz que quer manter BPI na bolsa

    Economia

    O líder do CaixaBank, que controla o BPI ao deter 85% do capital do banco na sequência da Oferta Pública de Aquisição (OPA), disse esta quarta-feira ter a intenção de manter o banco na bolsa, pelo menos para já.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.