sicnot

Perfil

Economia

Governo vai retirar algumas competências ao Banco de Portugal

© Rafael Marchante / Reuters

O Governo deve retirar competências ao Banco de Portugal no âmbito da reforma do modelo de supervisão financeira. A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios que adianta ainda que a resolução bancária vai deixar de fazer parte das atribuições da entidade. O poder de intervir nas instituições financeiras mantém-se, mas deixa de tutelar os bancos alvo de resolução.

A notícia surge no dia em que Mário Centeno apresenta as linhas gerais da fiscalização à banca no Parlamento.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou ontem que o relatório da reforma da supervisão financeira seria apresentado hoje na Assembleia da República.

"Amanhã (esta quinta-feira) há uma interpelação promovida pelo CDS, nessa altura, o senhor ministro das Finanças cá estará e apresentará sinteticamente a posição do Governo sobre essa matéria", revelou António Costa. O chefe do Governo respondia à líder do CDS-PP, Assunção Cristas, que o questionou sobre supervisão bancária no debate quinzenal no Parlamento.

"Qual é o pensamento do Governo sobre supervisão bancária? Recordo que nos informou que estaria a trabalhar sobre essa matéria e que traria propostas a esta casa. Mais de um ano volvido, não oiço nenhuma ideia do Governo, zero ideias do Governo", desafiou Assunção Cristas.

No final de janeiro, o ministro das Finanças nomeou Carlos Tavares para coordenar o grupo de trabalho criado pelo Governo para avaliar o modelo de supervisão financeira e propor a sua reforma.

No despacho de Mário Centeno, a criação do grupo de trabalho foi justificada, em termos gerais, com o programa do Governo, onde se declara a vontade de "reorganizar as funções de regulação e supervisão, reforçar a independência dos reguladores e supervisores face aos setores regulados e a prevenir abusos no setor financeiro".

Com Lusa

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52