sicnot

Perfil

Economia

Governo vai retirar algumas competências ao Banco de Portugal

© Rafael Marchante / Reuters

O Governo deve retirar competências ao Banco de Portugal no âmbito da reforma do modelo de supervisão financeira. A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios que adianta ainda que a resolução bancária vai deixar de fazer parte das atribuições da entidade. O poder de intervir nas instituições financeiras mantém-se, mas deixa de tutelar os bancos alvo de resolução.

A notícia surge no dia em que Mário Centeno apresenta as linhas gerais da fiscalização à banca no Parlamento.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou ontem que o relatório da reforma da supervisão financeira seria apresentado hoje na Assembleia da República.

"Amanhã (esta quinta-feira) há uma interpelação promovida pelo CDS, nessa altura, o senhor ministro das Finanças cá estará e apresentará sinteticamente a posição do Governo sobre essa matéria", revelou António Costa. O chefe do Governo respondia à líder do CDS-PP, Assunção Cristas, que o questionou sobre supervisão bancária no debate quinzenal no Parlamento.

"Qual é o pensamento do Governo sobre supervisão bancária? Recordo que nos informou que estaria a trabalhar sobre essa matéria e que traria propostas a esta casa. Mais de um ano volvido, não oiço nenhuma ideia do Governo, zero ideias do Governo", desafiou Assunção Cristas.

No final de janeiro, o ministro das Finanças nomeou Carlos Tavares para coordenar o grupo de trabalho criado pelo Governo para avaliar o modelo de supervisão financeira e propor a sua reforma.

No despacho de Mário Centeno, a criação do grupo de trabalho foi justificada, em termos gerais, com o programa do Governo, onde se declara a vontade de "reorganizar as funções de regulação e supervisão, reforçar a independência dos reguladores e supervisores face aos setores regulados e a prevenir abusos no setor financeiro".

Com Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • Um Lugar ao Sol
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".