sicnot

Perfil

Economia

Centeno quer que agências de rating notem regresso de Portugal à saúde orçamental

© Hugo Correia / Reuters (Arquivo)

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse hoje em entrevista ao Financial Times (FT) que Portugal quer mostrar às agências de rating, que qualificam a dívida pública como especulativa, que Portugal mudou.

O governante acredita que Bruxelas irá retirar o país do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), aplicado às economias que não cumprem as regras comunitárias.


Na entrevista, Centeno diz que, em 2017, o défice terá ficado "muito perto dos 2%" do PIB, o valor mais baixo desde que a democracia foi restaurada em 1974.


"A nossa economia está a crescer há 13 trimestres consecutivos. Se não é suficiente para um país sair do PDE, não sei o que será preciso", disse.


Para o ministro das Finanças, "é importante que as agências de 'rating' [Notes:avaliação] percebam que o Portugal de hoje é diferente do Portugal de 2012", com a redução sustentada nas dívidas das famílias e das empresas.


As 'yelds' da dívida a 10 anos estão perto dos 4,0% nos meses mais recentes, o seu nível mais elevado desde 2014, referiu também o governante.


O FT lembra, no entanto, que Portugal foi um dos países mais penalizados pela crise financeira que afetou a zona euro e que, atualmente, a dívida pública continua a representar 130,5% do Produto Interno Bruto (PIB), constituindo uma das maiores vulnerabilidades da economia portuguesa.


Mário Centeno refere, a propósito, que houve um fator extraordinário que ainda não permitiu a sua redução.
"Tivemos de pagar 4,4 mil milhões de euros para estabilizar o sector financeiro, senão a dívida já estaria numa tendência de descida", disse.

Lusa

  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.