sicnot

Perfil

Economia

Dona da Zara compra 1.500 M€ por ano a fornecedores portugueses

© Miguel Vidal / Reuters

O grupo Inditex, dono da Zara e Massimo Dutti e líder mundial da venda de roupa a retalho, compra anualmente cerca de 1.500 milhões de euros a fornecedores em Portugal, país que considera "absolutamente essencial" no seu negócio.

"Portugal é absolutamente essencial naquilo que é a essência do nosso modelo de negócio", disse hoje o presidente da Inditex, Pablo Isla, na apresentação dos resultados de 2016, sublinhando a "qualidade, rapidez e flexibilidade" dos fornecedores portugueses.

Pablo Isla revelou que o grupo compra anualmente "cerca 1.500 milhões de euros" a fornecedores portugueses, que considerou serem um "prolongamento natural" da operação que a Inditex tem em Espanha.

O grupo tem 171 fornecedores em Portugal com 887 fábricas associadas e mais de 46.000 trabalhadores, que não trabalham necessariamente em exclusivo para a Inditex, segundo dados de finais de 2015 fornecidos pela empresa com sede na Corunha (Galiza).

O presidente do maior grupo de vestuário a retalho do mundo recordou que foi na rua de Santa Catarina, no Porto, que foi aberta, em 1988, a primeira loja da Inditex fora de Espanha, "que ainda está em funcionamento".

O grupo tinha no final do ano passado 337 lojas em Portugal, com as marcas de Zara (67), Zara Kids (16), Pull&Bear (53), Massimo Dutti(41), Bershka (50), Stradivarius (44), Oysho (34), Zara Home (26) e Uterque (6).

Em termos gerais, o presidente da Inditex realçou os "resultados sólidos" que se caraterizaram pelo "forte investimento e forte criação de emprego" em todo o mundo.

Pablo Isla espera para 2017 que o grupo continue a ter grandes oportunidades de crescimento e prossiga com a expansão global do seu modelo integrado de vendas em lojas e 'online'.

O grupo investiu 1.400 milhões de euros em 2016, principalmente na abertura de novas lojas, renovação de outras, novas tecnologias e logística.
A Inditex anunciou hoje lucros de 3.157 milhões de euros no exercício terminado em janeiro, mais 10% do que em 2015.

Segundo a informação enviada hoje pela empresa à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola), no exercício fiscal de 01 de fevereiro de 2016 até 31 de janeiro de 2017, as vendas aumentaram 12%, para 23.311 milhões de euros, e o grupo tinha 7.292 lojas em 93 mercados.

No exercício, a Inditex abriu 279 lojas em 56 mercados.

Os resultados operacionais (EBIT) cresceram 9% para 4.021 milhões de euros e a margem bruta 13.279 milhões de euros, 10% superior ao exercício anterior, o que representa 57% das vendas.

As vendas comparáveis (lojas existentes nos dois últimos exercícios) também aumentaram 10% no exercício que terminou a 31 de janeiro último, quando no anterior tinham subido 8,5%.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) foi de 5.083 milhões de euros, um aumento de 8% em relação a 2015.

As vendas mundiais por marca também aumentaram no último exercício em relação ao anterior: Zara (15.394 milhões de euros, +13%), Pull&Bear (1.566, +10%), Massimo Dutti (1.630, +9%), Bershka (2.012, +7%), Stradivarius (1.343, +4%), Oysho (509, +13%), Zara Home (774, +16%), Uterqüe (83, +10%).


Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52