sicnot

Perfil

Economia

Meia centena de empresários da diversão itinerante protestam em Lisboa

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Cerca de meia centena de empresários da diversão itinerante estão hoje de manhã concentrados junto à Presidência do Conselho de Ministros, em Lisboa, num protesto para reivindicar medidas de apoio ao setor.

Os manifestantes chegaram à Rua Possidónio da Silva - que está cortada no local da concentração - cerca das 10:00, vindos do Terreiro do Paço, onde iniciaram os protestos, em frente ao Ministério das Finanças.

Ao chegar perto da Presidência do Conselho de Ministros, onde decorre uma reunião do executivo, o presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED) começou a discursar, com um megafone, sublinhando que as festas da Póvoa de Lanhoso estão sem carrosséis e que a Feira de Março, em Aveiro, corre o mesmo risco.

"Nós não queremos favores, nós somos cultura", afirmou o responsável.
Entre os cartazes exibidos podem ler-se inscrições como "Onde estão as medidas? Queremos respostas", "Continuamos à vossa espera há quatro anos" ou "Contra a inércia e falta ao compromisso dos políticos exigimos decreto-lei".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

As iniciativas incluem manifestações, marchas lentas e desfiles entre hoje e 25 de março.

Os empresários da diversão itinerante (como carrosséis) têm realizado vários protestos nos últimos anos para pedir medidas de apoio à atividade, entre as quais voltar a ter alvarás de cultura que lhes permitam descer o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) de 23% para 13%.

O objetivo é a aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República, que "recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da atividade das empresas itinerantes de diversão".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A 21 de fevereiro, os empresários manifestaram-se em Lisboa para exigir voltar a ter alvarás de cultura.

No entanto, o Governo recusou a descida do IVA até ao próximo Orçamento do Estado, o que levou o presidente da APED a ameaçar com um boicote às feiras nacionais.

Entre as 15:00 e as 22:00, os empresários protestam junto à residência oficial do primeiro-ministro, de onde pretendem seguir para o Palácio de Belém.

Lusa/Fim

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".