sicnot

Perfil

Economia

França conclui que Opel não cometeu fraude nas emissões de poluentes

© Ina Fassbender / Reuters

Os serviços antifraude franceses concluíram que o fabricante alemão Opel não violou a regulamentação em matéria de emissões de gases poluentes nos seus veículos comercializados no país, informou hoje o Ministério da Economia.

Segundo o departamento que funciona sobre a dependência do Ministério da Economia a investigação sobre as emissões de gases poluentes relativa à Opel foi encerrada "sem que os elementos reunidos e analisados tenham evidenciado factos constitutivos de infração ou engano", refere o comunicado.

Essas investigações, a cabo do organismo antifraude (DGCCRF), inserem-se no âmbito de uma análise global dos carros comercializados em França após as revelações de fraude da Volkswagen nos Estados Unidos.

Por ocasião dessa campanha de análise, a DGCCRF transmitiu à justiça, em fevereiro de 2016, indícios de fraude nos controlos efetuados sobre os veículos Volkswagen.

Em novembro, foi o caso da Renault e em fevereiro último o da Peugeot Citroën e Fiat.

O Ministério da Economia francês assinalou que as investigações relativas a outras fabricantes automóveis estão em curso.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.