sicnot

Perfil

Economia

Centeno diz que "programa do Governo é para cumprir"

M\303\201RIO CRUZ

O ministro das Finanças afirmou sta quarta-feira no Parlamento que "o programa do Governo é para cumprir", sem se referir concretamente ao aumento do salário mínimo e do número de escalões do IRS, como pedido pelo BE e pelo PCP.

Mário Centeno, afirmou esta quarta-feira no debate parlamentar sobre o Programa de Estabilidade 2017-2021 e sobre o Programa Nacional de Reformas, que "o programa do Governo é para cumprir", sublinhando que o Executivo "tem cumprido todos os compromissos internos, todos os compromissos que estabeleceu na Assembleia da República, todos os compromissos que estabelece com os parceiros sociais e obviamente também todos os compromissos externos".

Mas nada disse sobre os dois compromissos que tanto o BE como o PCP querem que o executivo assuma claramente: o aumento do salário mínimo para os 600 euros em 2019 e a alteração dos escalões do IRS já em 2018.

A deputada do BE Mariana Mortágua disse que "aguarda a confirmação sobre se o salário mínimo nacional subirá como está previsto no programa de Governo" e questionou também se o ministro "está disponível" para assumir "um compromisso de alteração dos escalões do IRS já em 2018" para "anular de facto o saque de rendimentos" que foi feito no período de resgate, considerando que "o que tem vindo a ser anunciado no IRS é da ordem do simbólico".

Pelo PCP, o deputado Paulo Sá quis saber como é que o Governo pretende "compatibilizar uma política orçamental enfiada no espartilho da União Europeia" com as medidas que entende necessárias.

"Com uma política orçamental enfiada no espartilho da União Europeia, como se valorizam os trabalhadores, como se melhoram os serviços públicos, como se reduzem os impostos? Como é que se enfia o Rossio na Rua da Betesga?", questionou, defendendo que aquilo de que o país precisa é de "reverter o saque fiscal, impedir que as pessoas de mais baixos rendimentos paguem IRS, aumentar os escalões e reduzir significativamente a taxa dos escalões mais baixos e intermédios, melhorar as deduções de saúde e educação e tributar de forma mais adequada as grandes empresas e fortunas".

Na resposta, Mário Centeno concordou com a teoria, mas não foi claro na assunção de qualquer compromisso: "Fazemos tudo isso que referiu, como temos feito até hoje. Recuperámos setores produtivos cruciais para a economia portuguesa, recuperámos o rendimento onde tem de ser recuperado, que é o no mercado de trabalho. As contribuições sociais em março de 2017 cresceram 7,2% face ao ano de 2016".

O ministro disse que a recuperação do rendimento "não é uma impossibilidade" e que, "ao contrário do que a oposição dizia há um ano, não há nenhuma impossibilidade nem há promessas de instabilidade", garantindo que "este é um caminho seguro e credível" e que "não há nenhuma alteração de política económica".

Sublinhando que, em 2015, o contributo da procura interna para o crescimento foi "muito superior ao de 2016" e que o da procura externa "foi muito inferior", Mário Centeno afirmou que a política do anterior Governo "estava errada e as exportações não estavam a ser o motor do crescimento que propalavam".

O governante defendeu ainda que "as reformas não servem para perder valor no país" e que o seu Governo tem "uma visão muito distinta" do que devem ser reformas estruturais, referindo que Portugal "está a convergir com a Europa na atividade económica e no emprego".

Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • EUA negam ter declarado guerra à Coreia do Norte

    Mundo

    Os Estados Unidos negaram esta segunda-feira ter declarado guerra à Coreia do Norte e frisaram que Pyongyang não pode disparar contra os seus aviões em águas internacionais, em resposta a uma ameaça do ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.