sicnot

Perfil

Economia

FMI considera que bancos portugueses têm demasiados funcionários e agências

O Fundo Monetário Internacional considera que o setor bancário europeu está sobredimensionado em alguns países, referindo que em Portugal há demasiados funcionários e balcões e que é necessário reduzir o crédito problemático em balanço.

No Relatório de Estabilidade Financeira Global, hoje conhecido, o FMI considera que houve "progressos consideráveis" nos últimos anos no setor bancário europeu, tendo agora os bancos mais capital (citando inclusivamente as recentes recapitalizações em Portugal e também em Itália), regulação mais exigente e melhor supervisão e continuando os esforços para adaptar os modelos de negócio, até ajudados pela melhoria da economia.

Contudo, avisa, tal ainda não foi suficiente para "restaurar a rentabilidade" dos bancos de forma sólida, permanecendo muitos desafios.

"Apesar das medidas que estão a ser tomadas para combater os problemas de rentabilidade, são necessários mais progressos para reduzir o 'overbanking' nos países com maiores desafios", lê-se no relatório.

A expressão inglesa 'overbanking' significa a que o setor bancário está sobredimensionado, podendo ser pelo excesso de instituições ou por o setor ter um peso em ativos que não corresponde à economia em que opera, estando em sobrecapacidade.

Segundo o FMI, esse 'overbanking' afeta as receitas dos bancos, uma vez que afeta a capacidade de cada instituição conseguir conceder empréstimos bons, comprimindo preços e margens, e ainda a eficiência operacional.

Em França, refere, o setor bancário é grande face à economia, já a Áustria e a Alemanha têm um elevado número de bancos, com baixa concentração.

Em "Itália, Portugal e Espanha existe um grande número de agências e de pessoal em relação aos ativos bancários", acrescenta.

A instituição sediada em Washington fala ainda do elevado crédito problemático e não produtivo que há nos balanços dos bancos, considerando que em Portugal e Itália se notou alguma redução face aos picos atingidos, mas que há "mais progressos têm de ser feitos".

Os documentos Programa de Estabilidade e Plano Nacional de Reformas, entregues pelo Governo português no parlamento na semana passada, consideram precisamente que o problema mais premente do sistema financeiro português é o elevado crédito em risco, já que "coloca entraves à capacidade de os bancos atraírem capital, configura um risco relevante para a estabilidade financeira e limita a capacidade do sistema bancário financiar a economia".

O Governo anunciou, assim, que vai executar um conjunto de medidas para promover a redução do elevado montante de créditos em risco detido pelos bancos que operam em Portugal, que era de "aproximadamente 30,5 mil milhões de euros" no final de 2016.

Também na semana passada, numa conferência com jornalistas, a Standard & Poor's admitiu vir a melhorar o 'rating' que atribui a Portugal (atualmente 'lixo') se o país conseguir "baixar o volume de NPL ['non-performing loans' ou crédito problemático] " dos bancos e se "o crescimento económico for melhor do que o esperado".

Ainda quanto ao relatório do FMI, são referidos os riscos sistémicos na banca, com a entidade a considerar que se "podem reavivar" quando nos bancos se junta a baixa rentabilidade, a falta de capitais privados e o excesso de crédito problemático e não produtivo.

Lusa


  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.