Economia

FMI melhora previsão do défice para 1,9% em 2017

© Yuri Gripas / Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou a estimativa para o défice orçamental deste ano, para 1,9% do PIB, mas continua a estar mais pessimista do que o Governo não só para 2017, mas para os anos seguintes.

No "Fiscal Monitor", um relatório com as previsões orçamentais para vários países do mundo divulgado esta quarta-feira, o FMI melhorou as estimativas face às últimas projeções conhecidas em fevereiro, quando antecipava défices de 2,1% e de 2,3% este ano e no próximo.

Agora, o Fundo, num documento que é coordenado pelo antigo ministro das Finanças Vítor Gaspar, agora diretor no FMI, estima que o défice orçamental fique nos 1,9% este ano, subindo depois para 2,2% nos dois anos seguintes, para 2,3% em 2020, para 2,4% em 2021 e atingindo 2,6% em 2022.

Por sua vez, e segundo o Programa de Estabilidade 2017-2021 entregue à Assembleia da República na semana passada, o Governo prevê que o défice orçamental represente 1,5% do PIB este ano, descendo para 1% no próximo e para 0,3% em 2019.

O executivo liderado por António Costa estima conseguir equilibrar as contas a partir de 2020, prevendo um saldo orçamental positivo de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) nesse ano e de 1,3% em 2021, enquanto o Fundo prevê saldos negativos, e superiores, em cada um desses anos.

A verificar-se a estimativa do FMI, de um défice de 2,6% em 2022, Portugal terá o pior défice orçamental da zona euro nesse ano, depois da Bélgica e da Grécia, ambos com saldos orçamentais negativos de 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB), mas também de Espanha (2,3%) e da Eslovénia (2,2%).

Também no que diz respeito à dívida pública, embora tenha melhorado as suas estimativas face a fevereiro, o FMI mostra-se mais pessimista do que o Governo, estimando uma redução do rácio a um ritmo mais lento.

O Fundo prevê agora que a dívida pública represente 128,6% do PIB este ano, 127,1% em 2018, 125,7% em 2019, 124,6% em 2020, 123,7% em 2021 e 122,9% em 2022.

Já o executivo, no Programa de Estabilidade, estima que a dívida pública desça para 127,9% este ano, para 124,2% no próximo, para 120% em 2019, para 117,6% em 2020 e para 109,4% em 2021.

Na zona euro, e a confirmarem-se as estimativas do FMI, Portugal terá a terceira maior dívida pública este ano entre os países da moeda única, apenas atrás da Itália (132,8%) e da Grécia (180,7%).

No final do período analisado pelo FMI, ou seja, em 2022, a dívida pública portuguesa (122,9%) ultrapassa a da Itália (121,3%), passando a ser a segunda mais elevada da zona Euro. A Grécia manterá a primeira posição (162,8%).

O FMI apresenta ainda uma estimativa de 2,3% do PIB para o défice do ano passado, partindo de uma perspetiva de caixa entre janeiro e setembro, mesmo depois de o Instituto Nacional de Estatística já ter avançado o valor do défice em contabilidade nacional no conjunto do ano: 2% do PIB.

Para as estimativas relativas a este ano, o FMI baseia-se no Orçamento do Estado de 2017, ajustando-o às previsões macroeconómicas. Para os anos seguintes, baseia-se num cenário de políticas invariantes.

Lusa

  • Três sportinguistas analisam entrevista de Bruno de Carvalho
    1:29
  • Manuel Pinho não terá declarado dinheiro que recebeu
    2:45

    Economia

    Manuel Pinho não terá declarado ao Tribunal Constitucional o dinheiro que recebeu do chamado saco azul do Grupo Espírito Santo. Esta terça-feira, no Parlamento, o antigo ministro da Economia de José Sócrates foi questionado sobre o assunto mas recusou responder.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • Jovens tailandeses poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo
    2:30

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador resgatados de uma gruta da Tailândia já tiveram alta. Uma semana depois, saíram do hospital e deram uma conferência de imprensa em que se mostraram sorridentes. No entanto, os especialistas advertem que poderão vir a sofrer de transtornos a longo prazo, se forem obrigados recorrentemente a reviver tudo o que passaram.

  • Os portugueses que se cruzaram na vida de Mandela
    2:19
  • Cem anos de Mandela: o legado de um "gigante da História"

    Mundo

    Na história da Humanidade contam-se muito poucas figuras capazes de gerar uma aclamação unânime e global de elogio e agradecimento. Nelson Mandela está nessa lista de eleitos. No dia em que completaria 100 anos, recordamos o legado de "Madiba", um dos maiores impulsionadores da paz que este mundo já conheceu.

    André de Jesus

  • Será este o táxi mais autografado do mundo?
    2:27
  • Quem é a mais recente líder da Sonae?
    2:16
  • Rádio Escuta dá voz aos imigrantes que vivem em Lisboa
    4:02

    País

    Uma rádio comunitária está no ar, por estes dias, no bairro do Intendente, em Lisboa. O projeto é temporário e termina no próximo domingo. Mas até lá, a Rádio Escuta chega a mais de 100 países, pela internet, e dá voz aos imigrantes de diversas origens que vivem em Lisboa.

  • Lisboa vai ser Capital Verde da Europa em 2020
    2:54

    País

    O vereador do Ambiente de Lisboa quer envolver todos os cidadãos, empresas e agentes culturais na Capital Verde da Europa em 2020. Lisboa é a primeira cidade do sul da Europa a conseguir a distinção e, até lá, a Câmara promete um conjunto de investimentos para tornar a capital portuguesa um exemplo na área ambiental. Um deles é a construção de uma central solar.

  • Donald Trump em nova polémica

    Mundo

    O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, fez estalar uma nova polémica ao chamar ao Montenegro um "país muito pequeno" cujos habitantes são "muito agressivos" e por parecer questionar o princípio da defesa mútua dentro da NATO.

  • Urso apanhado na piscina de moradia de luxo na Califórnia
    1:35