sicnot

Perfil

Economia

Greve de um ano ao trabalho suplementar no porto de Sines

(Arquivo)

O Sindicato XXI anunciou uma greve no porto de Sines por um prazo de um ano. O pré-aviso de greve tem efeito a partir da meia-noite de dia 29 de abril até à meia noite de 29 de abril de 2018.

Em causa está a paralisação total das operações nos períodos de trabalho suplementar como antecipações e serviços extraordinários.

O Sindicato anunciou também a paralisação total das operações nas últimas duas horas de cada turno, durante duas semanas.

Na origem deste pré-aviso estão questões sobre o arrastamento das negociações com a PSA e a Laborsines, as novas regras de horários de trabalho, trabalho suplementar e as repectivas remunerações.

Lusa

  • Professores protestam em Lisboa
    1:40

    País

    Os professores saíram esta terça-feira às ruas de Lisboa. Cerca de 1.500 docentes participara na manifestação exigir melhores condições de trabalho. A FENPROF admite avançar para a greve caso não seja ouvida pelo Governo.

  • 10 museus e monumentos fechados devido à greve

    País

    Dez museus e monumentos portugueses encontram-se hoje fechados, no segundo e último dia de greve decretada pela Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas, disse à agência Lusa fonte da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

  • Trabalhadores da distribuição em greve hoje

    Economia

    Os trabalhadores dos setores do comércio, escritórios e serviços cumprem hoje um dia de greve, reivindicando o respeito pelo feriado do domingo de Páscoa, a conciliação da vida familiar com a profissional e trabalho digno.

  • Fenprof admite convocar greve nacional
    0:56

    País

    O secretário-geral da Fenprof admite convocar uma greve nacional. Na véspera da concentração de professores, marcada para amanhã, Mário Nogueira diz que se não houver respostas concretas às reivindicações, os professores podem parar.

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.