sicnot

Perfil

Economia

General Motors suspende operações na Venezuela

Rebecca Cook

A General Motors (GM) anunciou esta quinta-feira num comunicado que suspendeu as operações na Venezuela depois das autoridades venezuelanas terem confiscado na quarta-feira uma fábrica da empresa.

No comunicado, a construtora automóvel norte-americana diz que outros ativos como automóveis foram retirados da fábrica, causando danos irreparáveis.

A GM afirma que a fábrica foi confiscada desrespeitando o direito a um processo e adianta que vai defender-se legalmente e que está confiante que a justiça prevalecerá.

A construtora norte-americana, com cerca de 2.700 trabalhadores no país, é líder de mercado na Venezuela há mais de 35 anos.

Nos últimos dias a Venezuela tem sido atingida por violentos protestos contra as políticas do Governo, a escassez de bens e uma taxa de inflação de três dígitos.

Lusa

  • Três pessoas morreram nos protestos contra governo venezuelano
    2:10

    Mundo

    Só em Caracas foram 100 mil os que saíram à rua, esta quinta-feira, num protesto contra o governo de Maduro que resiste, apesar da crise profunda. Na Venezuela falta praticamente tudo. Por todo o país, as manifestações foram reprimidas e pelo menos três pessoas morreram, dois civis e um militar.

  • Mais de 400 detidos após manifestação anti-Maduro

    Mundo

    Mais de 400 pessoas foram detidas pelas autoridades venezuelanas após as manifestações contra o Presidente Nicolás Maduro esta quarta-feira, que foram reprimidas pela Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar). Segundo o diretor da organização não-governamental Foro Penal Venezuelano a repressão está a aumentar na Venezuela.

  • Dois mortos em protestos pró e anti-Maduro
    1:55

    Mundo

    Dois jovens foram mortos a tiro esta quarta-feira durante as manifestações na Venezuela. A capital do país, Caracas, foi palco de dois protestos a favor e contra Nicolás Maduro. As imagens mostram milhares de pessoas nas ruas e a grande tensão entre a polícia e os manifestantes.

  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43