sicnot

Perfil

Economia

As reivindicações e as razões da greve do médicos

Em julho de 2012, os dois sindicatos médicos agendaram um protesto de dois dias, que contou na altura também com o apoio da Ordem dos Médicos, à semelhança da greve desta semana.

Francisco Seco/ AP (Arquivo)

Os médicos vão parar amanhã e quinta-feira, uma paralisação convocada pelos dois sindicatos e que é a primeira destes profissionais com que se confronta o atual ministro Adalberto Campos Fernandes. Saiba o que está em causa.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) convocaram a greve, que conta com o apoio da Ordem dos Médicos, depois de um ano de negociações com o Governo, dizendo-se saturados de promessas não concretizadas e até de recuos por parte do Executivo, além de se queixarem de "deliberado desrespeito".

O Ministério da Saúde diz que está "empenhado no diálogo" com os sindicatos médicos, indicando que nos últimos meses foi possível chegar a acordo em áreas importantes, como a reposição do valor das horas extraordinárias em 2017. O Governo indica também que rejeita negociar sob pressão.

Principais reivindicações dos sindicatos médicos:


• Limitação do trabalho suplementar em serviço de urgência a 150 horas anuais, em vez das 200 horas anuais atuais.

• Imposição de um limite de 12 horas de trabalho em urgência como horário normal de trabalho, sendo contra a realização de urgências por períodos de 24 horas, sob pena de colocar em risco a qualidade do atendimento e a segurança do doente.

• Redução da lista de utentes por médico de família.

• Pagamento integral do trabalho extraordinário. Atualmente os médicos têm um corte de 50% e pretendem voltar a receber a 100% com efeitos retroativos a janeiro de 2017. O Governo comprometeu-se a devolver 25% dos cortes a todos os médicos a partir de abril e os restantes 25% até final do ano.

• Negociação de uma grelha salarial que respeite a diferenciação técnica e profissional dos trabalhadores médicos.

• Recuperação dos dias de férias acrescidos que tinham sido concedidos em função da idade do trabalhador, uma medida que deve ser estendida aos médicos com contrato individual de trabalho.

• Convergência da idade de aposentação dos médicos com as restantes profissões de maior desgaste.

• Implementação efetiva da medicina do trabalho e saúde ocupacional em todos os estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

• Melhoria dos incentivos à fixação em zonas e especialidades médicas carenciadas.

• Recuperação do subsídio de insularidade para todos os médicos que trabalhem nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores.

• Lançamento dos concursos para assistente graduado sénior e assistente graduado que estiveram previstos para 2016 mas não foram efetivados na prática.

• Colocar os atestados médicos para as cartas de condução apenas em centros de avaliação médica e psicológica para todos os condutores, retirando este serviço dos centros de saúde.

• Implementação da carreira médica aos profissionais que trabalham nos quadros dos ministérios da Justiça e da Defesa.

• Remunerar o trabalho prestado ao sábado além da urgência de um modo específico. O trabalho ao sábado das 8:00 às 13:00 ainda é equiparado a dias de semana.

Com Lusa

  • William e Kate apresentam o filho ao mundo
    1:42
  • Marcelo defende debate alargado sobre saúde
    0:57

    País

    O Presidente da República defende que um debate profundo sobre o futuro da saúde deve envolver todos os intervenientes políticos. Para Marcelo Rebelo de Sousa quanto mais partidos estiverem envolvidos na discussão, melhor.

  • Governo apresenta medidas que privilegiam arrendamento e reabilitação
    1:16

    País

    O Governo apresentou esta tarde um novo pacote de medidas para a habitação. Trata-se de uma visão que privilegia o arrendamento e a reabilitação como formas de garantir o acesso a todas as famílias a uma habitação adequada. O primeiro-ministro diz que é preciso segurança nos contratos de arrendamento e avança por isso como uma proposta de benefícios.

  • Salah Abdeslam e cúmplice condenados a 20 anos por tentativa de assassínio de cariz terrorista
    1:11

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo, que remete para o momento em que foi detido em Bruxelas, em março de 2016. Salah Abdeslam e um cúmplice foram considerados culpados de tentativa de assassínio de cariz terrorista pela participação numa troca de tiros com a polícia belga da qual resultaram três agentes feridos. 

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC