sicnot

Perfil

Economia

Patrões dos EUA ganham 347 vezes mais do que os trabalhadores

Lucas Jackson

Os patrões de grandes empresas norte-americanas ganharam em média 13,1 milhões de dólares em 2016, ou seja, 347 vezes mais do que os seus trabalhadores, indica um estudo do sindicato AFL-CIO divulgado esta terça-feira.

Em 2015, os vencimentos dos empresários tinham sido 335 vezes mais elevados do que os dos trabalhadores.

Os administradores das empresas que integram o índice S&P 500 da bolsa de Nova Iorque receberam em média 13,1 milhões de dólares (11,9 milhões de euros) no ano passado, enquanto o rendimento médio de um trabalhador ficou em 37.620 dólares (cerca de 34.300 euros).

A retribuição dos executivos registou um aumento de 5,9% em comparação com o ano anterior, enquanto os salários dos trabalhadores ficaram estagnados.

O presidente do sindicato AFL-CIO, Richard Trumka, afirmou que o relatório deste ano torna evidente que "a ganância dos gestores agrava a crise da desigualdade nos salários" norte-americanos.

"As grandes empresas continuam a encontrar maneira de modelar a economia a seu favor e em linha com os bolsos dos seus chefes à custa dos trabalhadores que fazem os negócios prosperar", apontou.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.