sicnot

Perfil

Economia

Sindicatos médicos juntos em greve nacional pela terceira vez

Francisco Seco/ AP (Arquivo)

Os dois sindicatos médicos juntam-se pela terceira vez numa greve nacional contra políticas governamentais, sendo a primeira que enfrenta o atual Governo. Para quarta e quinta-feira, Federação Nacional dos Médicos e Sindicato Independente dos Médicos convocaram uma paralisação nacional conjunta, o que não acontecia desde o primeiro ano do Governo de Passos Coelho.

Em julho de 2012, os dois sindicatos médicos agendaram um protesto de dois dias, que contou na altura também com o apoio da Ordem dos Médicos, à semelhança da greve desta semana.

Nessa altura, os médicos juntaram à greve uma manifestação junto ao Ministério da Saúde, em Lisboa, onde marcaram presença cerca de 2.500 profissionais vestidos de batas brancas contra as políticas do então ministro.

Os dois sindicatos não se juntavam para uma greve nacional desde a década de 1980, com Leonor Beleza como ministra da Saúde.

O secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, Roque da Cunha, reconhece que este é o terceiro grande protesto conjunto das duas forças sindicais, embora tenham estado juntas noutras paralisações parciais, como foi o caso de uma greve nos cuidados de saúde primários no tempo do ministro Luís Filipe Pereira.

A greve desta quarta e quinta-feira é um protesto pela ausência de medidas concretas do Governo num conjunto de reivindicações sindicais que têm tentado estar a ser negociadas ao longo do último ano.Limitação do trabalho suplementar a 150 horas anuais, em vez das atuais 200, imposição de um limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência e diminuição do número de utentes por médico de família são algumas das reivindicações sindicais.

Os sindicatos também querem a reposição do pagamento de 100% das horas extra, que recebem desde 2012 com um corte de 50%. Exigem a reversão do pagamento dos 50% com retroatividade a janeiro deste ano.

O Ministério da Saúde e o ministro Adalberto Campos Fernandes têm dito que não negoceiam sob pressão e consideram-se empenhados no diálogo com os sindicatos médicos.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado emitido hoje, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Erdogan apela ao reconhecimento de Jerusalém Oriental como capital
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28