sicnot

Perfil

Economia

Comissão Europeia abre caminho à saída do Procedimento por Défices Excessivos

Francisco Seco/ AP

A Comissão Europeia estima que o défice orçamental português continue a descer, para 1,8% este ano e para 1,6% no próximo, valores acima dos previstos pelo Governo, e abre caminho ao encerramento do Procedimento por Défices Excessivos (PDE). Nas previsões da primavera divulgadas hoje, a Comissão Europeia afirma que "depois de ter representado 2% do PIB em 2016, o défice orçamental deve permanecer abaixo de 2% no horizonte da projeção".

As estimativas de Bruxelas apontam para um défice orçamental de 1,8% em 2017 e de 1,6% em 2018, acima (em 0,4 pontos percentuais) das metas de 1,5% para este ano e de 1% para o próximo (em 0,6 pontos percentuais), definidas pelo Governo no Programa de Estabilidade.

Apesar da diferença, estas previsões apontam para uma trajetória de correção duradoura do défice nos próximos anos, uma condição essencial para o encerramento do PDE a Portugal, uma decisão que deverá ocorrer ainda este mês, em data ainda a determinar.

As projeções de hoje mostram também uma melhoria face às previsões de inverno, quando Bruxelas estimava que o défice se situaria nos 2% em 2017 e nos 2,2% em 2018, sendo que a Comissão Europeia continua hoje a mostrar-se preocupada com os impactos da operação de capitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

"Os riscos para as previsões orçamentais estão ligados às incertezas que rodeiam o cenário macroeconómico e às medidas de apoio à banca, que potencialmente farão aumentar o défice", afirma o executivo comunitário nas previsões de hoje. Outra preocupação de Bruxelas é a deterioração do saldo estrutural: "Devido ao volume limitado de medidas de consolidação orçamental, espera-se que o saldo estrutural piore ligeiramente em 0,2 pontos percentuais do PIB em 2017", adverte.

A Comissão prevê também que o défice estrutural continue a piorar até 2018, "na ausência de medidas de consolidação suficientemente especificadas" no Programa de Estabilidade 2017-2021.Segundo Bruxelas, Portugal terá um défice estrutural de 2,2% este ano e de 2,4% no próximo, bem acima do previsto pelo Governo, que estima um défice estrutural de 1,7% este ano e de 1,1% no próximo, uma diferença de 0,5 pontos percentuais e de 1,3 pontos percentuais, respetivamente.

Já quanto à dívida pública, depois de ter uma dívida de 130,5% do PIB em 2016, o executivo comunitário estima uma redução para 128,5% do PIB este ano e para 126,2% do PIB no próximo, diminuições ligeiramente inferiores às previstas pelo Governo, para 127,9% e para 124,2%, respetivamente.

Lusa

  • Bruxelas alinha previsões com o Governo e estima que PIB cresça 1,8% este ano

    Economia

    A Comissão Europeia está mais otimista para o crescimento económico português, alinhando agora a sua previsão com a do Governo para este ano (1,8%), mas admite um abrandamento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018. Nas previsões de primavera divulgadas hoje, Bruxelas afirma que "depois de uma performance forte na segunda metade de 2016, o crescimento económico de Portugal deve aumentar ainda mais em 2017, antes de abrandar em 2018".

  • Militares da revolução denunciam corrupção nos órgãos de poder
    3:22

    País

    O presidente da Associação 25 de Abril acusa a classe política de não ter interesse em travar a corrupção em Portugal. Vasco Lourenço e Otelo Saraiva de Carvalho, dois dos militares da revolução, consideram que a corrupção está entranhada nos órgãos de poder e deve ser denunciada.

  • "Está prevista mais uma melhoria do rating para breve"
    2:46
  • Fábrica na Covilhã vai produzir para marcas de luxo
    1:47

    Economia

    A Covilhã foi a cidade portuguesa escolhida para a instalação de uma nova fábrica de produção de peças para marcas de luxo. O Grupo FM Industries Sycrilor vai reforçar o investimento na cidade e será responsável pelo polimento de metais para as marcas Louis Vuitton e Cartier.