sicnot

Perfil

Economia

Governo reitera que há condições para fechar Procedimento por Défice Excessivo

O Ministério das Finanças afirmou hoje que "está seguro de que a Comissão Europeia irá convergir para uma projeção orçamental alinhada com a execução", reiterando que estão reunidas as condições para sair do Procedimento por Défice Excessivo (PDE).

Nas projeções económicas hoje publicadas, a Comissão Europeia estima que o défice orçamental português vai continuar a descer, para 1,8% este ano e para 1,6% no próximo, valores acima dos previstos pelo Governo (que aponta para um défice 1,5% e 1% em 2017 e 2018, respetivamente) e abre caminho ao encerramento do PDE.

Quanto ao crescimento económico, Bruxelas está mais otimista, alinhando agora a sua previsão com a do Governo para este ano (1,8%), mas admite um abrandamento do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, para os 1,6%.

Em reação a esta atualização de Bruxelas, o ministério de Mário Centeno considera que as previsões "vêm reafirmar a solidez do cenário subjacente ao Orçamento do Estado para 2017 e ao Programa de Estabilidade 2017-2021" e "confirmar que estão cumpridas as condições para que Portugal possa sair do PDE".

O entendimento da tutela e que, no documento hoje publicado, a Comissão reconhece "a natureza sustentável e equilibrada do padrão de crescimento da economia portuguesa", nomeadamente quanto à "manutenção de um 'superavit' da balança corrente e de capital, o qual sustenta a continuação da redução da dívida externa".

O Ministério das Finanças garante que "assegurará o cumprimento rigoroso dos objetivos orçamentais, tal como assumido no OE2017 e no Programa de Estabilidade", e diz estar "seguro de que a Comissão Europeia irá convergir para uma projeção orçamental alinhada com a execução, como confirmado pelos resultados do primeiro trimestre", reiterando "a criação de condições para saída do PDE".

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.