sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas conclui que extensão das concessões hidroelétricas à EDP não foi auxílio estatal

A Comissão Europeia determinou hoje que a extensão das concessões de energia hidroelétrica atribuídas por Portugal à operadora nacional Eletricidade de Portugal (EDP) não envolveu um auxílio estatal, encerrando assim uma investigação iniciada em 2013.

O executivo comunitário lembra que, em setembro de 2013, na sequência da receção de denúncias, deu início a um procedimento formal de investigação em relação à medida, e "as principais preocupações relacionavam-se com o preço pago pela EDP para a extensão das concessões e com o impacto dessa extensão no mercado, tendo em conta a forte posição da EDP no mercado português.


Apontando que a utilização dos recursos hídricos públicos para produção de eletricidade em Portugal está sujeita a um contrato de concessão, a Comissão recorda que em 2007 Portugal prorrogou várias concessões de energia hidroelétrica para além da data de cessação que tinha sido inicialmente acordada (2020, em média), tendo estas extensões sido concedidas à EDP mediante o pagamento de 704 milhões de euros.


Durante o procedimento formal de investigação, "a Comissão verificou que a compensação paga pela EDP para a extensão das concessões de energia hidroelétrica era compatível com as condições de mercado", concluindo que "a metodologia financeira utilizada para avaliar o preço da extensão das concessões foi adequada e resultou num preço de mercado justo".


Por conseguinte, a Comissão Europeia concluiu agora que a compensação paga pela EDP pela extensão das concessões não envolve um auxílio estatal", anunciou hoje o executivo comunitário.


A Comissão ressalva que a decisão de hoje "não aprecia a conformidade da medida com outras disposições do direito da UE, nomeadamente com as regras da UE em matéria de contratos públicos e em matéria de concorrência".

Lusa

  • EDP com lucro de 215 milhões até março
    1:38

    Economia

    A EDP teve um lucro de 215 milhões de euros, nos primeiros três meses de 2017. Esta é uma queda de 18% em comparação com o início do ano passado, que a empresa justifica com a falta de chuva e de vento.

  • EDP poupou 20 M€ com adesão ao programa de perdão fiscal
    1:16

    Economia

    A EDP aderiu ao Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) e com isso poupou 20 milhões de euros em juros. O programa é destinado a empresas e famílias em dificuldades, o que não é propriamente o caos. No ano passado, a elétrica nacional teve um lucro de quase mil milhões de euros.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.