sicnot

Perfil

Economia

Duas faculdades portuguesas entre as melhores do mundo a formar executivos

As faculdades de economia da Universidade Católica Portuguesa e da Universidade Nova de Lisboa estão entre as 50 melhores do mundo, segundo o 'ranking' de programas de formação de executivos do jornal britânico 'Financial Times', hoje divulgado.

No 'ranking', que combina os dois tipos de formações analisadas -- os programas abertos e os programas feitos à medida de empresas --, a Católica Lisbon School of Business and Economics (CLSBE) surge no 43.º lugar, com a Nova School of Business and Economics (NSBE) a encerrar a tabela das 50 melhores escolas de economia para o Financial Times.

Numa análise apenas aos programas de formação abertos, surge ainda outra faculdade portuguesa, a Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

A Porto Business School ocupa a 69.ª posição na classificação deste tipo de programa.Em comunicado, a CLSBE destaca que integra a lista das 50 melhores escolas de economia do 'Financial Times' pelo 11.º ano consecutivo e que, numa perspetiva exclusivamente europeia, está entre as 20 melhores, sendo também uma das 10 mais internacionais da Europa.

Para o diretor da faculdade de economia da Universidade Católica Portuguesa, citado no comunicado, a classificação é "um motivo de grande orgulho" e reflete a "forte aposta na internacionalização".

A faculdade destaca as parcerias estabelecidas entre a Católica Lisbon School e instituições internacionais como o Massachusetts Institute of Technology (MIT), na região de Boston, nos Estados Unidos, ou a universidade de Carnegie Mellon, em Pittsburgh, também nos Estados Unidos.

A lista que combina os resultados nos dois tipos de programa de formação de executivos colocam este ano em 1.º lugar a espanhola IESE Business School, à qual se segue a suíça IMD, a norte-americana Harvard Business School e, empatadas, a britânica London Business School e a Center for Creative Leadership, uma escola que resulta da parceria entre quatro países: EUA, Bélgica, Singapura e Rússia.

O 'ranking' analisa as instituições de ensino a partir de informação recolhida junto de alunos e direções das escolas.

Aos alunos é pedido que pontuem os programas de formação de executivos em critérios como preparação, conceção dos cursos, métodos e materiais de ensino, objetivos atingidos e condições das instalações das escolas, entre outros.

As escolas fornecem informação sobre o total de mulheres inscritas nas formações, o número de estudantes internacionais, crescimento e parcerias com outras instituições, entre outros aspetos.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11