sicnot

Perfil

Economia

FMI pede à Alemanha para gastar mais

Kai Pfaffenbach / Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) criticou hoje de novo os excedentes alemães, considerados demasiado elevados, incitando o país a baixar os impostos e investir para estimular a procura interna e as economias dos parceiros comerciais.

A Alemanha tem sido alvo de críticas recorrentes de instituições internacionais ou dos parceiros comerciais que acusam o país de não fazer importações e investimentos suficientes para beneficiar os outros países, nomeadamente países europeus.

As margens orçamentais que a Alemanha tem ao seu dispor "devem ser utilizadas para iniciativas que reforcem o potencial de crescimento, como investimentos em infraestruturas físicas e digitais, ajuda à infância, integração de refugiados e alívio da carga fiscal sobre o trabalho", apontou o FMI no relatório regular sobre a economia alemã.

O FMI sugere também uma política que incite os alemães a trabalharem durante mais tempo, o que pode encorajar a população envelhecida a consumir mais em vez de poupar para a reforma.

A Alemanha conseguiu no ano passado um excedente orçamental recorde, de perto de 24 mil milhões de euros, o que corresponde a um excedente de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto vários países europeus têm problemas com défices.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, já apontou a possibilidade de uma redução de impostos, mas só depois das eleições gerais previstas para o outono, caso o partido de Angela Merkel ganhe.

No seu relatório, o FMI preconiza também "um aumento contínuo dos salários e da inflação" no país para "estimular a inflação na zona euro e facilitar a normalização da política monetária".

O Banco Central Europeu (BCE) adotou, nos últimos anos, uma política de apoio à economia da zona euro com taxas de juro em níveis historicamente baixos.

O FMI também reiterou as críticas ao excedente da conta corrente da Alemanha, que em 2016 foi "o mais elevado do mundo em dólares".

Numa entrevista à revista Der Spiegel, Wolfgang Schäuble reconheceu, no fim de semana, que o excedente está "muito elevado", o que relacionou com o euro fraco, uma consequência da política do BCE.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.