sicnot

Perfil

Economia

FMI pede à Alemanha para gastar mais

Kai Pfaffenbach / Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) criticou hoje de novo os excedentes alemães, considerados demasiado elevados, incitando o país a baixar os impostos e investir para estimular a procura interna e as economias dos parceiros comerciais.

A Alemanha tem sido alvo de críticas recorrentes de instituições internacionais ou dos parceiros comerciais que acusam o país de não fazer importações e investimentos suficientes para beneficiar os outros países, nomeadamente países europeus.

As margens orçamentais que a Alemanha tem ao seu dispor "devem ser utilizadas para iniciativas que reforcem o potencial de crescimento, como investimentos em infraestruturas físicas e digitais, ajuda à infância, integração de refugiados e alívio da carga fiscal sobre o trabalho", apontou o FMI no relatório regular sobre a economia alemã.

O FMI sugere também uma política que incite os alemães a trabalharem durante mais tempo, o que pode encorajar a população envelhecida a consumir mais em vez de poupar para a reforma.

A Alemanha conseguiu no ano passado um excedente orçamental recorde, de perto de 24 mil milhões de euros, o que corresponde a um excedente de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto vários países europeus têm problemas com défices.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, já apontou a possibilidade de uma redução de impostos, mas só depois das eleições gerais previstas para o outono, caso o partido de Angela Merkel ganhe.

No seu relatório, o FMI preconiza também "um aumento contínuo dos salários e da inflação" no país para "estimular a inflação na zona euro e facilitar a normalização da política monetária".

O Banco Central Europeu (BCE) adotou, nos últimos anos, uma política de apoio à economia da zona euro com taxas de juro em níveis historicamente baixos.

O FMI também reiterou as críticas ao excedente da conta corrente da Alemanha, que em 2016 foi "o mais elevado do mundo em dólares".

Numa entrevista à revista Der Spiegel, Wolfgang Schäuble reconheceu, no fim de semana, que o excedente está "muito elevado", o que relacionou com o euro fraco, uma consequência da política do BCE.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado emitido hoje, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Erdogan apela ao reconhecimento de Jerusalém Oriental como capital
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28