sicnot

Perfil

Economia

Preços das casas em Portugal sobem 1,8%

(Arquivo)

Reuters

O preço das casas em Portugal Continental subiu 1,8% no primeiro trimestre deste ano, face ao trimestre anterior, segundo o Índice de Preços Residenciais da Confidencial Imobiliário divulgado esta quinta-feira.

A valorização acelerou nos primeiros três meses do ano, assinalou a empresa, que recordou que no quarto trimestre de 2016 a evolução tinha sido de 1%.

A taxa de variação homóloga também voltou a acelerar, com os preços a subirem no primeiro trimestre 6,2%, na comparação com o mesmo período do ano passado. "Recorde-se que no final do ano, o ritmo de crescimento homólogo dos preços abrandou, ficando-se em 5,6% depois de, em setembro, ter atingido a marca mais elevada dos últimos 15 anos, nomeadamente uma valorização homóloga de 7,5%", referiu a Confidencial Imobiliário, em comunicado.

Em termos acumulados, a recuperação dos preços das casas em Portugal situa-se em 14,3%, mas os preços das casas mantêm-se ainda cerca de 3,8% abaixo dos níveis observados em agosto de 2010, o ponto mais elevado do mercado desde início da atual série do índice.

O mínimo do mercado foi registado em junho de 2013.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".