sicnot

Perfil

Economia

Administração da CGD chama sindicatos para reuniões

A administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) reúne-se esta quarta-feira à tarde com os representantes dos trabalhadores, em reuniões pedidas pelo próprio banco público que, segundo fontes sindicais, deverá servir para comunicar um programa de rescisões.

As reuniões serão com a Comissão de Trabalhadores da CGD e com os sindicatos representativos dos trabalhadores do grupo CGD, caso da Federação sindical do Setor Financeiro (FEBASE, ligada à UGT) e do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Caixa.

Segundo fontes sindicais contactadas pela Lusa, na convocatória, não é indicado o tema das reuniões, mas a expectativa é que sejam sobre a apresentação do plano de rescisões por mútuo acordo, nomeadamente as condições que serão oferecidas aos trabalhadores que aceitem sair.

No âmbito da recapitalização da CGD, foi acordado com Bruxelas um programa de reestruturação, que passa pela saída de cerca de 2.000 pessoas até 2020, através de pré-reformas e rescisões amigáveis, num ritmo de 500 a 600 por ano, além do fecho de balcões.

A CGD teve prejuízos de 38,6 milhões de euros no primeiro trimestre, melhor do que as perdas de 74,2 milhões registadas entre janeiro e março de 2016, que o banco justificou com os custos extraordinários decorrentes do programa de pré-reformas e rescisões amigáveis que a está a implementar (com um impacto de 58 milhões de euros).

No final de maio, a Febase acusou a CGD de estar a "pressionar os trabalhadores para aceitarem o programa de pré-reformas em vigor".

A CGD tem vindo a emagrecer a sua estrutura nos últimos anos, inclusivamente com a saída de trabalhadores.
No final de 2016, tinha 8.133 trabalhadores em Portugal, menos 297 do que em 2015.

Também hoje à tarde, a CGD apresentará em Lisboa aquilo que designa por "banco móvel", uma carrinha do banco que prestará serviços bancários em zonas em que a CGD não tem agências.

O plano de reestruturação do banco público implica o encerramento de mais de 60 agências por todo o país, o que provocou já protestos de autarcas e populações locais, caso de Almeida (na Guarda), o que levou a CGD a encontrar esta solução de agência móvel.

Lusa