sicnot

Perfil

Economia

Portugal regressa hoje ao mercado para colocar até 1.250 M€ em dívida

(Lusa/ Arquivo)

Portugal regressa hoje ao mercado para realizar dois leilões de dívida, a cinco e a dez anos, esperando arrecadar entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros.

Em comunicado, o IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública anuncia que vai realizar, pelas 10:30, dois leilões das linhas de Obrigações do Tesouro (OT) com maturidade em outubro de 2022 e em abril de 2027, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros.

No dia 10 de maio - último leilão comparável -, Portugal colocou 618 milhões de euros de OT com maturidade em 17 de outubro de 2022 (cinco anos e cinco meses) à taxa de juro de 1,828%, mais baixa do que a registada em abril (2,174%).

No mesmo dia, em OT com maturidade em 14 de abril de 2027 (nove anos e 11 meses), o IGCP colocou 632 milhões de euros a uma taxa de juro de 3,386%, também inferior à do anterior leilão comparável de março, de 3,950%.

A procura de OT a cinco anos atingiu, na altura, 1.253 milhões de euros, 2,03 vezes superior ao montante colocado, e a de OT a dez anos cifrou-se em 1.216 milhões de euros, 1,92 vezes superior ao montante colocado.

Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".