sicnot

Perfil

Economia

Emigrantes lesados do BES realizaram mais um "dia de luta" em Paris

Os emigrantes lesados do BES protestaram hoje, em Paris, em mais um "dia de luta", para reclamar a devolução das suas poupanças e para marcar "1050 dias" de "assalto" a "8.000 famílias emigrantes portuguesas", disse à Lusa a organização.

O "dia de luta" contou com uma reunião, de manhã, entre membros da Associação Movimento Emigrantes Lesados (AMELP) e a equipa jurídica numa sala do Santuário de Nossa Senhora de Fátima e uma manifestação entre a sede do Novo Banco, na avenida Georges-Mandel, no 16.º bairro, e a Praça do Trocadero.

"É um dia de luta porque faz hoje 1050 dias que 8.000 famílias emigrantes portuguesas foram assaltadas dentro de um banco. A palavra se calhar é forte, assaltadas, mas é a realidade. De um dia para o outro, estas pessoas ficaram sem nada, foram roubadas", afirmou à agência Lusa Helena Batista, vice-presidente da AMELP, sublinhando que tem havido luta, "mas nada" de soluções.

A luta vai continuar e a AMELP convocou uma manifestação para 11 de agosto, em frente à sede do Novo Banco, em Lisboa, e apelou aos emigrantes portugueses para que façam "ações de luta nas agências onde foram enganados", nas férias de verão.

Esta manhã, na reunião com a equipa jurídica, estiveram presentes 300 pessoas e foi reafirmada a intenção de não aceitar um acordo semelhante ao que foi proposto pelo Novo Banco em 2015, lembrando que deu entrada no parlamento, a 12 de abril, uma petição cujo objetivo é provar que "os produtos vendidos aos emigrantes eram fraudulentos".

"Se houver a mesma proposta de 2015, está fora de questão que a gente assine. Pelo contrário, apelamos a todas as pessoas para que, mesmo cansadas, mesmo desgastadas com o tempo e com os processos, não assinem nada", indicou Helena Batista.

Tendo como pano de fundo a Torre Eiffel, os emigrantes lesados entoaram os 'slogans' já usados nos protestos dos últimos meses na Praça da Ópera, na Praça do Trocadero, na Embaixada de Portugal e na sede do Novo Banco em Paris: "Lesados na rua, a luta continua" e "Banquiers portugais, voleurs des immigrés" ("Banqueiros portugueses, ladrões dos emigrantes").

Maria da Costa, com 82 anos, tem sido uma presença assídua nas manifestações e ainda tem esperança de recuperar os 373.000 euros que tinha no ex-Bes/Novo Banco.

"A esperança é a última a morrer, mas tenho um bocado de fé que este governo talvez resolva o problema porque, se o não fizer, é uma vergonha (...). [Vou manifestar-me] até ter força - a força já não é muita e até não piorar por completo, porque bem piorada já a gente está", disse a manifestante.

Amélia Reis é outro dos rostos habituais dos protestos dos emigrantes lesados do BES e, apesar de "cansada", explicou que a "injustiça" lhe dá "forças interiores" para continuar a lutar.

"Estou aqui para ver se é feita justiça em Portugal para os emigrantes. Ora bem, as manifestações, não as contei, mas vim a todas e continuarei a vir a todas, porque acho que enquanto o problema não for resolvido temos de continuar. A força temo-la. Eu tenho força e eu continuo sempre até que o problema seja resolvido", disse a emigrante de 59 anos.

De muleta e a caminhar devagar, um dia depois de ter saído do hospital, João Heitor, de 65 anos e "43 de França", decidiu participar no protesto em solidariedade, não por ser lesado do BES, mas por ser "lesado como emigrante".

"Com estes meus irmãos, sinto-me lesado e ao ver as pessoas aqui com rugas, com falta de meios, pobreza, sinto-me lesado moralmente. Sou um emigrante lesado. É por isso que aqui, mesmo doente, com lágrimas nos olhos, peço solidariedade a toda a comunidade emigrante", declarou o antigo livreiro.

Mais uma vez, o núcleo em França do Bloco de Esquerda (BE) voltou a estar presente em solidariedade com uma "luta legítima", afirmou Cristina Semblano, dirigente bloquista em França, falando em "assalto vergonhoso aos emigrantes, pessoas humildes que trabalharam toda uma vida".

"Não é normal que eles estejam a ser enganados desta forma. Nós sabemos que há três soluções possíveis: uma delas seria um acordo com o Novo Banco, mas é necessário que o Novo Banco esteja de acordo; a segunda seria ações judiciais, mas nós temos de esperar as sentenças; e a terceira é uma solução política, e essa solução está nas mãos do governo português", afirmou.

Entre os manifestantes esteve também Hermano Sanches Ruivo, vereador da Câmara de Paris, que apontou responsabilidades a Portugal e a França, apelando à solidariedade dos eleitos franceses de origem portuguesa para apoiar os emigrantes lesados do BES.

"A partir de um momento em que um estabelecimento bancário tem uma sede e uma atividade em França, todos os produtos e serviços que são por eles propostos, seja em França ou seja num outro país, têm que ter o aval e a validação. É importante o controlo das estruturas francesas, Banque de France, Comissão dos Valores", afirmou, sublinhando que é "Portugal que tem a grande responsabilidade".

O Novo Banco propôs, em 2015, uma solução comercial aos emigrantes com os produtos Poupança Plus, Euro Aforro e Top Renda, que teve a aceitação de cerca de 6.000 (80% do total) que detinham em conjunto 500 milhões de euros.

No entanto, houve clientes que não aceitaram a solução, por considerarem que não se adequava ao seu perfil e não era justa, incorporando obrigações do Novo Banco que têm o seu vencimento apenas daqui a 30 anos e sem cupão anual, e o Novo Banco não fez qualquer proposta a outros milhares de clientes, argumentando que não era possível, devido ao tipo de instrumentos financeiros abrangidos.

Lusa

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22