sicnot

Perfil

Economia

Banco italiano resgatado pelo Estado corta 5.500 postos de trabalho até 2021

© Alessandro Bianchi / Reuters

O banco italiano Monte dei Paschi di Siena (MPS), resgatado pelo Estado, anunciou esta quarta-feira que vai cortar 5.500 postos de trabalho e fechar 600 sucursais até 2021 no âmbito de um plano de reestruturação já aprovado pela Comissão Europeia.

O plano essencial para que o Estado injete dinheiro público prevê entre 2017 e 2021 uma redução de 5.500 postos de trabalho, incluindo 4.800 trabalhadores que serão integrados num fundo de pensões voluntário, o Fundo de Solidariedade.

Segundo o plano, outros 450 postos de trabalho desaparecerão por estarem vinculados a atividades que serão fechadas, haverá 750 trabalhadores que passarão à reforma e serão contratados 500 novos trabalhadores.

Com esta estratégia, desenhada para reforçar o património e garantir a sua continuidade, a entidade italiana prevê registar um lucro líquido superior aos 1.200 milhões de euros em 2021, com uma rentabilidade sobre recursos próprios (ROE) de 10,7%.

Para redimensionar a sua estrutura organizativa, o MPS fechará cerca de 600 sucursais, 30% do total, prevendo passar das 2.000 que tinha em 2016 para cerca de 1.400.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.