sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da PT pedem ao Governo que impeça cortes e transferências

Cerca de 300 trabalhadores da PT Portugal concentraram-se hoje em frente às instalações desta empresa no Porto para apelar ao Governo para que impeça a administração de levar a cabo transferências e rescisões de contratos de trabalho.

"A luta continua na empresa e na rua" - foi uma das frases mais entoadas pelos trabalhadores que empunhavam placas e faixas com mensagens como "O Governo tem de agir! Defender esta empresa é estratégia nacional" ou "Não à destruição da PT e postos de trabalho. O Governo tem de intervir já!".

Em causa está o facto de, em 30 de junho, a PT Portugal ter anunciado internamente que iria transferir 118 trabalhadores para empresas do grupo Altice e Visabeira, esta última parceira histórica da operadora de telecomunicações, cujo processo estará concluído no final deste mês. Antes, no início do mês passado, a operadora tinha anunciado a transferência de 37 trabalhadores da área informática da PT Portugal para a Winprovit.

Depois destas notícias, em 05 de julho, os sindicatos afetos à PT Portugal anunciaram também a convocação de uma greve geral para dia 21 contra a transferência de trabalhadores para outras empresas do grupo Altice e parceiros.

Em declarações à agência Lusa, o representante da Comissão de Trabalhadores (CT), Francisco Gonçalves, disse estimar que existam neste momento cerca de 100 trabalhadores a cumprir funções temporárias e 200 sem funções, enquanto 155 estão "em transição" para outras empresas.

"E os restantes estão com o coração nas mãos", resumiu Francisco Gonçalves, pedindo à administração para que "pense no que está a fazer".

"E se a administração não repensar, terá de ser o Governo a fazer alguma coisa. É importante valorizar a PT e os trabalhadores da PT. São os melhores trabalhadores das telecomunicações em Portugal, são dos melhores trabalhadores de telecomunicações que há no mundo todo.

Medidas erradas de gestão não podem pôr em causa o futuro desta empresa e a qualidade desta empresa", referiu o representante da CT.
Francisco Gonçalves apontou que o universo PT ronda os 9.000 trabalhadores no ativo e 3.500 não no ativo (pré-reformas e suspensões).

A concentração de hoje no Porto seguiu-se a mais de três horas de plenário, no qual participaram representantes da CT e de oito sindicatos ligados ao setor.

De acordo com o responsável pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Telecomunicações e Audiovisual (SINTTAV) participaram no plenário - que teve como objetivo "o esclarecimento e mobilização" - cerca de 500 trabalhadores.

"Este é o início da luta dos trabalhadores da PT, uma luta que vai ser muito difícil. A greve de dia 21 será da responsabilidade da administração da Altice. As relações e condições laborais dos trabalhadores da PT alteraram-se completamente quando a Altice assumiu funções na PT por causa de uma lógica de corte nas despesas, remunerações e subsídios, retirada de funções a trabalhadores, prática de pressão e rescisões de trabalho", disse Hernâni Marinho, do SINTTAV.

O responsável sindical afirmou que "os postos de trabalho estão a ser postos em causa através de uma figura jurídica encontrada no Contrato de Trabalho que implica a transição automática para empresas externas".

"E ao fim de um ano os trabalhadores perdem o seu acordo coletivo de trabalho e, por consequência, todos os direitos adquiridos, ficando à mercê de despedimentos. Os trabalhadores consideram, e bem, que isto se trata de uma manobra fraudulenta. Pedimos a intervenção do Governo", sublinhou Hernâni Marinho.

Depois desta concentração - que registou a presença de comitivas ligadas ao PCP e Bloco de Esquerda, nomeadamente da líder bloquista Catarina Martins e dos candidatos à câmara do Porto Ilda Figueiredo (CDU) e João Teixeira Lopes (BE) -, repetir-se-á uma ação semelhante nas quarta-feira, em Lisboa, e serão enviadas cartas ao Presidente da República, ao primeiro-ministro e aos partidos políticos com assento na Assembleia da República.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.