sicnot

Perfil

Economia

Sonangol culpa rumores por dificuldades na venda de combustíveis em Angola

reuters

A petrolífera Sonangol garantiu, hoje, que não há falta de combustíveis nas províncias angolanas, como indicam relatos dos últimos dias, mas admite pontuais constrangimentos na venda, face às especulações e rumores.

Em comunicado distribuído à imprensa, a concessionária estatal esclarece que não se verificou redução significativa no fornecimento de combustíveis, concretamente de gasolina e gasóleo, nos postos de abastecimento do país.

No entanto, na empresa têm surgido, ocasionalmente, constrangimentos operacionais que impactam no aprovisionamento e distribuição em tempo oportuno, em determinadas regiões do país.

A nota da Sonangol adianta que "vários rumores infundados, aos quais a empresa é completamente alheia, levaram muitos cidadãos, particularmente das províncias de Benguela, Huambo, Bié e Malanje a acorrer aos postos de combustíveis, formando por vezes longas filas".

Devidos aos rumores, acrescenta, os consumidores dessas províncias procuraram reforçar o abastecimento de viaturas, tentando ainda açambarcar combustíveis.

"Esta situação, por vezes, causa dificuldades ao consumidor final e dá origem a uma especulação oportunista dos preços", salienta o comunicado.

Este facto provocou uma situação temporária de rutura de stock em vários postos de combustível, tendo a Sonangol reforçado o abastecimento nas províncias e limitado a venda de gasolina e gasóleo.

Acrescenta que "não existe qualquer risco de a empresa não ter meios suficientes para fornecer combustíveis, especialmente gasolina e gasóleo, a todos os postos de abastecimentos espalhados pela vasta extensão do território angolano".

Sobre a província de Cabinda, enclave a norte, a Sonangol considera "uma situação particular e específica", tendo em conta que aquela região, devido à sua situação geográfica, separada do resto do território angolano e apenas com ligações marítimas, apenas pode ser abastecida por mar.

"O que nem sempre é possível devido às condições climatéricas, como as que se têm registado nos últimos dias em várias zonas do litoral angolano", refere a petrolífera, admitindo "ações especulativas por parte de cidadãos estrangeiros", em Cabinda.

Estes, acusa a Sonangol, "tentam adquirir grandes quantidades de combustível para as transportar ilegalmente para outros países".

Para mitigar estes efeitos, a petrolífera refere que está a tomar medidas, trabalhando de forma próxima e concertada com as autoridades competentes, para "erradicar de vez este tipo de práticas lesivas dos interesses" da empresa e do país.

Lusa

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Furacão Maria ameaça Ilhas Virgens e Porto Rico

    Mundo

    O furacão Maria "potencialmente catastrófico" está a ameaçar as Ilhas Virgens e o Porto Rico, depois de esta terça-feira ter semeado a destruição na Dominica e provocado um morto e dois desaparecidos na ilha francesa de Guadalupe.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.

  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC