sicnot

Perfil

Economia

Sonangol culpa rumores por dificuldades na venda de combustíveis em Angola

reuters

A petrolífera Sonangol garantiu, hoje, que não há falta de combustíveis nas províncias angolanas, como indicam relatos dos últimos dias, mas admite pontuais constrangimentos na venda, face às especulações e rumores.

Em comunicado distribuído à imprensa, a concessionária estatal esclarece que não se verificou redução significativa no fornecimento de combustíveis, concretamente de gasolina e gasóleo, nos postos de abastecimento do país.

No entanto, na empresa têm surgido, ocasionalmente, constrangimentos operacionais que impactam no aprovisionamento e distribuição em tempo oportuno, em determinadas regiões do país.

A nota da Sonangol adianta que "vários rumores infundados, aos quais a empresa é completamente alheia, levaram muitos cidadãos, particularmente das províncias de Benguela, Huambo, Bié e Malanje a acorrer aos postos de combustíveis, formando por vezes longas filas".

Devidos aos rumores, acrescenta, os consumidores dessas províncias procuraram reforçar o abastecimento de viaturas, tentando ainda açambarcar combustíveis.

"Esta situação, por vezes, causa dificuldades ao consumidor final e dá origem a uma especulação oportunista dos preços", salienta o comunicado.

Este facto provocou uma situação temporária de rutura de stock em vários postos de combustível, tendo a Sonangol reforçado o abastecimento nas províncias e limitado a venda de gasolina e gasóleo.

Acrescenta que "não existe qualquer risco de a empresa não ter meios suficientes para fornecer combustíveis, especialmente gasolina e gasóleo, a todos os postos de abastecimentos espalhados pela vasta extensão do território angolano".

Sobre a província de Cabinda, enclave a norte, a Sonangol considera "uma situação particular e específica", tendo em conta que aquela região, devido à sua situação geográfica, separada do resto do território angolano e apenas com ligações marítimas, apenas pode ser abastecida por mar.

"O que nem sempre é possível devido às condições climatéricas, como as que se têm registado nos últimos dias em várias zonas do litoral angolano", refere a petrolífera, admitindo "ações especulativas por parte de cidadãos estrangeiros", em Cabinda.

Estes, acusa a Sonangol, "tentam adquirir grandes quantidades de combustível para as transportar ilegalmente para outros países".

Para mitigar estes efeitos, a petrolífera refere que está a tomar medidas, trabalhando de forma próxima e concertada com as autoridades competentes, para "erradicar de vez este tipo de práticas lesivas dos interesses" da empresa e do país.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15