sicnot

Perfil

Economia

Prisa, Media Capital e Altice com ações em alta

As ações das três intervenientes no negócio da venda da Media Capital por 440 milhões de euros estavam, hoje, a subir nas respetivas bolsas, onde estão admitidas à cotação.

Assim, cerca das 10:00 em Lisboa, as ações da Prisa (vendedora) subiam 15% para 3,16 euros, as da Media Capital (comprada) avançavam 3,67% para 3,11 euros e no mesmo sentido as da Altice (compradora) estavam a valorizar-se 0,45% para 20,14 euros.

O Grupo Altice anunciou, hoje, que chegou a acordo com a Prisa para comprar por 440 milhões de euros a Media Capital SGPS, SA, que detém a TVI.

De acordo com uma nota da Altice enviada à Lusa, a compra da Media Capital, por 440 milhões de euros, faz parte da estratégia global do grupo, que se manifesta disposto a oferecer mais conteúdos aos consumidores, apostando em produções e formatos locais.

"A integridade e independência editorial da Media Capital servirão de princípio norteador para os negócios de média da Altice", refere a nota.

Num comunicado, enviado à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM), a MEO, detida pela Altice, explica que o objeto da Oferta Pública de Aquisição (OPA) é constituído pela totalidade das 84.513.180 ações, com o valor nominal de 1,06 euros.

A MEO explica, ainda no comunicado, que a decisão surgiu "na sequência da celebração, no dia 13 de julho de 2017, após o encerramento do mercado em Portugal, de um contrato de compra e venda de ações com a Promotora de Informaciones, S.A. ("PRISA"), para a aquisição de ações representativas de 100% do capital social da Vertix, SGPS, S.A. ("Vertix"), que é titular de ações representativas de 94,69% dos direitos de voto do Grupo Media Capital, SGPS, S.A".

No início de junho, a Blomberg avançou que o grupo espanhol estaria em negociações com a Altice para a venda da TVI, o que levou a um pedido de esclarecimentos por parte da CMVM.

No passado dia 25 de junho, a Altice confirmou à CMVM que tinha iniciado "interlocuções exploratórias" para a eventual compra da participação do grupo espanhol Prisa na Media Capital, dona da TVI.

Também no final de junho, na assembleia-geral de acionistas, o presidente do Conselho de Administração da Prisa, Juan Luis Cebrián, já tinha falado da necessidade da empresa de "redução do seu perímetro", numa alusão à venda de ativos.

Entretanto, a Altice marcou para as 11:00, de hoje, uma conferência de imprensa, em Lisboa.

Lusa

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.