sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da PT protestam em Faro contra transferência para outras empresas

(arquivo)

Cerca de 80 trabalhadores de telecomunicações concentraram-se esta segunda-feira junto às instalações da PT/MEO, em Faro, no Algarve, em protesto contra as transferências para outras empresas e parceiros do grupo e em defesa da estabilidade da empresa.

"A nossa luta pretende evitar que os trabalhadores sejam transferidos para empresas precárias, cujo objetivo pode ser o despedimento e pela defesa da estabilidade do trabalho e da contratação coletiva", disse à agência Lusa António Moura do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (SINTTAV).

A concentração à porta das instalações da PT/MEO na capital algarvia, seguiu-se ao plenário que juntou cerca de uma centena de trabalhadores, para esclarecer e preparar a greve geral anunciada para sexta-feira.

Em causa está o facto de a PT Portugal ter anunciado internamente que iria transferir no dia 22 de julho, 118 trabalhadores para empresas do grupo Altice e Visabeira, o que motivou que os sindicatos convocassem uma greve geral para 21 de julho contra a transferência de trabalhadores para outras empresas e parceiros do grupo.

O representante do SINTTAV disse à Lusa que a greve pretende "envolver o poder político no sentido de alterar a legislação, de forma a evitar a transferência de trabalhadores, devido ao receio de que os mesmos venham a ser despedidos".

"A empresa tinha anunciado que tinha cerca de quatro mil trabalhadores a mais e, o nosso receio é que a transferência para empresas precárias, algumas constituídas há pouco tempo, acabe em despedimentos", sublinhou o sindicalista.

Segundo António Moura, os trabalhadores "estão a viver um momento conturbado e de indefinição quanto ao futuro, quando o que se pretende é uma maior estabilidade dos postos de trabalho e da empresa".

"A nossa luta irá manter-se até que a empresa apresente medidas corretas de gestão em relação aos trabalhadores e que o poder político se envolva para travar despedimentos e manter a estabilidade e qualidade da empresa", concluiu.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC