sicnot

Perfil

Economia

Lesados do BES continuam protesto no Banco de Portugal com desaguisados entre si e com a PSP

TIAGO PETINGA/LUSA

As três centenas de lesados pelo ex-BES, uma esmagadora maioria emigrante, continuaram hoje o protesto para serem ressarcidos no Banco de Portugal (BdP), Baixa de Lisboa, após marcha desde a sede do Novo Banco.

Após vários momentos de tensão com a polícia, forçando as grades do perímetro de segurança, junto ao edifício do banco que resultou da resolução do BES, na avenida da Liberdade, vários manifestantes confrontaram e insultaram dirigentes da Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses (AMELP), que fora recebida pela administração presidida por António Ramalho, colocando em causa a bondade das suas intenções.

Segundo dirigentes da associação que representa os emigrantes lesados do BES, os "elementos agitadores" serão clientes lesados do papel comercial que não aceitaram o acordo já firmado entre outra associação, o Novo Banco e o Governo, os quais terão conseguido "infiltrar-se" nos autocarros que se dirigiram a Lisboa e se concentraram a partir das 11:30.

"Houve garantia da administração e do Governo de que até outubro serão depositados 15% das poupanças de quem tinha o produto Aforro 10. Estão a trabalhar para resolver as situações ainda pendentes, que precisam de ser negociadas. A administração do Novo Banco compreendeu o descontentamento das pessoas. Ainda não têm uma solução, mas vão tentar encontrá-la o mais rápido possível", disse à Lusa o presidente da AMELP, Luís Marques.

Os emigrantes e clientes do ex-BES queixam-se de dois produtos financeiros onde terão investido mais de 140 milhões de euros: EG Premium e Euro Aforro 10.

A associação que representa os emigrantes lesados do BES revelou na terça-feira um entendimento com o Novo Banco e o Governo do PS, que passa pela recuperação de 75% do dinheiro investido dos produtos Euro Aforro 8, Poupança Plus 1, Poupança Plus 5, Poupança Plus 6, Top Renda 4, Top Renda 5, Top Renda 6 e Top Renda 7.

Cerca de uma hora, entre as 14:00 e as 15:00, demorou o percurso entre a rua Barata Salgueiro e a rua do Ouro, ao som de apitos, chocalhos, buzinas e colorido por bandeiras, cartazes e tarjas com queixas contra governantes e banqueiros para espanto e admiração dos muitos turistas que se cruzaram com o cortejo até pelas bandeiras de França e da Suíça empunhadas pelos emigrantes lesados pelo BES.

Lusa

TIAGO PETINGA/LUSA

  • Momentos de tensão no protesto dos emigrantes lesados do BES em Lisboa
    2:50

    Queda do BES

    A Associação Movimento Emigrantes Lesados Portugueses (AMELP) manifesta-se hoje junto à sede do Novo Banco, resultante da resolução do BES, reivindicando em Lisboa uma proposta para todos os que perderam dinheiro, mesmo após acordo para parte dos associados. O repórter Hélder Correia dá conta de momentos de tensão neste protesto, onde os manifestantes tentaram derrubar as barreiras colocadas pela polícia.

  • Lesados do BES mantêm manifestação
    2:02

    Queda do BES

    A manifestação dos emigrantes lesados do BES, marcada para sexta-feira, mantém-se apesar do acordo de princípio alcançado esta semana entre a associação que os representa, o Novo Banco e o Governo. A solução que se dirige a cerca de dois mil dos oito mil emigrantes que tinham poupanças no banco deverá permitir a recuperação de 60% do dinheiro. 

  • Pelo menos seis mortos em descarrilamento nos EUA

    Mundo

    Pelo menos seis pessoas morreram na sequência do descarrilamento de um comboio de passageiros, ocorrido esta segunda-feira perto da cidade norte-americana de Seattle, estado de Washington, referiu um responsável norte-americano citado pela agência noticiosa norte-americana Associated Press.

  • Comissão de trabalhadores da Autoeuropa vai entregar contraproposta
    1:39

    Economia

    A Autoeuropa vai parar entre o Natal e o Ano Novo por falta de peças para a produção. O anúncio foi feito esta segunda-feira, no dia em que foram retomadas as negociações sobre os novos horários de trabalho na fábrica de Palmela. Ainda não está nada decidido, mas a Comissão de Trabalhadores vai preparar uma contraproposta para entregar à administração que, na semana passada, impôs de forma unilateral o trabalho ao sábado.