sicnot

Perfil

Economia

Ferro Rodrigues empossou novos membros do Conselho de Finanças Públicas

Ferro Rodrigues empossou novos membros do Conselho de Finanças Públicas

A polémica sobre a independência do Conselho de Finanças Públicas terminou hoje com a posse de dois novos membros. O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, sublinhou a necessidade de independência e pluralidade de opiniões.

Miguel Saint Aubyn e Paul De Grô foram os nomes indicados pelo Banco de Portugal e Tribunal de Contas, que o Governo aceitou em junho.

O Executivo rejeitou a proposta inicial que incluía Teresa Ter-Minassian, antiga alta funcionária do FMI, e Luís Vitório, ex-chefe de gabinete de Paulo Macedo no tempo do governo PSD-CDS.

A polémica arrastou-se durante meses com a direita a acusar o Governo de pôr em causa a independência de um órgão de aconselhamento na área das finanças públicas.

Paul de Grô é um economista belga, conhecido pelas críticas sobre a gestão da crise europeia. Miguel Saint Aubyn fez parte do grupo de trabalho do governo com o Bloco de Esquerda que discutiu a sustentabilidade da dívida.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21