sicnot

Perfil

Economia

Gás engarrafado custa mais 119€/ano que o gás natural

Gás engarrafado custa mais 119€/ano que o gás natural

As famílias que usam gás de garrafa pagam em média mais 119 euros por ano do que as que têm acesso à rede de gás natural. As contas foram feitas pela Deco, que tem vindo a denunciar esta diferença de preços desde 2013.

Cozinhar ou aquecer água com gás engarrafado é penalizador para as famílias portuguesas. É a conclusão da Deco, que já fez e refez as contas.

Quem usar em média uma garrafa de gás butano por mês, ao fim do ano gasta um total de 293 euros. Pela mesma quantidade de energia, uma família com acesso à rede de gás natural gasta apenas 174 euros por ano. Ora, isto significa que usar gás engarrafado custa mais 119 euros.

Ao multiplicarmos este valor pelos 2.600 milhões de lares que usam gás de garrafa, são mais 310 milhões de euros em energia.

Entre julho e setembro, a associação de defesa do consumidor recolheu 3.360 preços em 961 estabelecimentos de todos os distritos do continente e Madeira. Chegou então à conclusão que o gás butano continua mais caro nas regiões do sul do país, sobretudo em Beja, Faro e Setúbal.

Em Viana do Castelo, por exemplo, um consumidor gasta 23,32 euros para comprar uma garrafa de gás. Já em Beja paga 26,95 euros, uma diferença de quase 4 euros.

O estudo revela uma situação penalizadora para muitos consumidores que não podem mudar para gás natural.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38