Economia

Gás engarrafado custa mais 119€/ano que o gás natural

Gás engarrafado custa mais 119€/ano que o gás natural

As famílias que usam gás de garrafa pagam em média mais 119 euros por ano do que as que têm acesso à rede de gás natural. As contas foram feitas pela Deco, que tem vindo a denunciar esta diferença de preços desde 2013.

Cozinhar ou aquecer água com gás engarrafado é penalizador para as famílias portuguesas. É a conclusão da Deco, que já fez e refez as contas.

Quem usar em média uma garrafa de gás butano por mês, ao fim do ano gasta um total de 293 euros. Pela mesma quantidade de energia, uma família com acesso à rede de gás natural gasta apenas 174 euros por ano. Ora, isto significa que usar gás engarrafado custa mais 119 euros.

Ao multiplicarmos este valor pelos 2.600 milhões de lares que usam gás de garrafa, são mais 310 milhões de euros em energia.

Entre julho e setembro, a associação de defesa do consumidor recolheu 3.360 preços em 961 estabelecimentos de todos os distritos do continente e Madeira. Chegou então à conclusão que o gás butano continua mais caro nas regiões do sul do país, sobretudo em Beja, Faro e Setúbal.

Em Viana do Castelo, por exemplo, um consumidor gasta 23,32 euros para comprar uma garrafa de gás. Já em Beja paga 26,95 euros, uma diferença de quase 4 euros.

O estudo revela uma situação penalizadora para muitos consumidores que não podem mudar para gás natural.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16