Economia

OCDE revê em alta crescimento da economia global para 3,9% em 2018 e 2019

Damir Sagolj / Reuters

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) está mais otimista e estima que a economia global cresça 3,9% em 2018 e 2019, o ritmo mais elevado desde 2011, devido a mais investimento, comércio internacional e emprego.

Na atualização intercalar das previsões económicas ('Economic Outlook') divulgada hoje, a OCDE diz que este é o resultado "mais forte" desde 2011 e destaca as "surpresas de crescimento" previstas para este ano na zona euro (que deverá crescer 2,3%), na China (6,7%), na Turquia (5,3%) e no Brasil (2,2%).

"A economia mundial vai continuar a fortalecer-se nos próximos dois anos, com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global a alcançar quase 4% em 2018 e 2019", afirma a OCDE, que diz que um investimento mais forte, uma recuperação no comércio global e mais emprego estão a tornar a "recuperação cada vez mais ampla".

A OCDE defende ainda que salvaguardar as regras que sustentam o sistema de comércio internacional "vai ajudar a suportar o crescimento económico e de empregos", afirmando que os governos devem evitar o agravamento e depender de "soluções globais" na indústria de aço.

Na quinta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que iria impor, dentro de dias, taxas de 10% e 25% sobre a importação de alumínio e de aço, respetivamente.

A OCDE mostra-se assim mais otimista do que estava em novembro, esperando agora que a economia global cresça mais 0,2 pontos percentuais em 2018 e 0,3 pontos percentuais em 2019, face às projeções de 3,7% e de 3,6% que apresentava, na altura, para cada um dos anos.

"Projeta-se que o crescimento nos Estados Unidos, na Alemanha, em França, no México e na África do Sul seja significativamente mais robusto que o antecipado anteriormente, com outras revisões em alta, mais baixas, na maioria dos outros países do G20", lê-se no documento da OCDE.

Para a instituição liderada por Ángel Gurría, as novas reduções de impostos e aumento de despesa nos Estados Unidos e estímulos fiscais adicionais na Alemanha são "fatores chave" que justificam a revisão em alta no crescimento em 2018 e 2019.

Ainda assim, a organização sediada em Paris alerta para os níveis ainda elevados de dívida em vários países, que podem criar vulnerabilidades, e observa que as perspetivas de crescimento ainda permanecem "muito fracas" em relação ao estimado antes da crise financeira, o que reflete tendências demográficas "menos favoráveis" e uma década de investimento e produtividade abaixo da média.

A OCDE defende também que é necessária uma "normalização gradual" da política monetária, para "minimizar o risco de disrupções nos mercados financeiros", e aconselha os governos a evitarem políticas orçamentais "demasiado pró-cíclicas" e a focarem-se em medidas que "fortaleçam as perspetivas de sustentabilidades e de um crescimento de médio prazo mais inclusivo".

Lusa

  • Volta ao Mundo em Arroios
    18:46

    Reportagem Especial

    Tem mais de 90 nacionalidades diferentes. Os censos de 2011 da freguesia de Arroios, em Lisboa, registavam 4.500 estrangeiros mas nos últimos anos o número terá duplicado. É a freguesia mais multicultural do país, onde a diferença é a principal riqueza.

  • Anticiclone dos Açores afasta o verão de Portugal
    1:46

    País

    O verão vai continuar ameno em Portugal e, no início da próxima semana, as temperaturas máximas vão mesmo descer. Um cenário bem diferente do do norte da Europa, onde são as ondas de calor que estão a preocupar as autoridades. 

  • Ryanair prevê cancelamento de 50 voos diários em Portugal
    2:10

    Economia

    A Ryanair vai cancelar até 50 voos em Portugal durante os dois dias de greve, na próxima semana. A companhia irlandesa garante que já contactou 90% dos clientes com viagens marcadas de e para o país, que podem agora pedir o reembolso ou reagendar os voos.

  • Sócrates defende Pinho e critica Parlamento

    País

    José Sócrates saiu em defesa do seu antigo ministro da Economia, Manuel Pinho. Num artigo de opinião publicado no Expresso, o ex-primeiro-ministro aponta o dedo ao presidente do PSD e ao líder parlamentar do PS.

  • PP espanhol elege o líder mais jovem de sempre

    Mundo

    O novo presidente do Partido Popular (PP) espanhol, Pablo Casado, com 37 anos, é o líder mais jovem que este partido já teve na sua curta história, sendo visto por muitos como defensor da ala mais conservadora e tradicional.