sicnot

Perfil

Economia

Rio critica Governo e "credores" que impedem reposição do poder de compra

JOSE COELHO

O líder do PSD criticou este domingo o Governo por "recusar dizer quem foram os credores que ficaram com o nosso dinheiro", impedindo "melhorar a qualidade de vida das pessoas" e "repor o poder de compra dos funcionários públicos".

"Estamos a falar de um escasso número de pessoas que ficou a dever milhões e milhões à Caixa Geral de Depósitos [CGD] e ao Novo Banco [que ficou com os ativos e passivos de qualidade do BES - Banco Espírito Santo] . Nalguns casos, serão provavelmente os mesmos de um lado e de outro. Mas, se não temos capacidade para melhorar a qualidade de vida das pessoas e o poder compra dos funcionários públicos, digam, pelo menos, quem são os principais responsáveis por isso ter acontecido", afirmou Rui Rio.

O líder do PSD falava no encerramento do 25.º Congresso da Juventude Social Democrata (JSD), na Póvoa de Varzim, referindo-se ao Programa de Estabilidade apresentado na sexta-feira pelo Governo, em relação ao qual concluiu não existir "nenhum milagre nem uma economia fluorescente", porque "a melhoria económica é tão fraca que ainda não permite aumentar o poder de compra dos funcionários públicos".

"Por que é que o Governo se recusa a dizer quem foram aqueles credores, hoje devedores da banca, que ficaram com o nosso dinheiro e não estão capazes de devolver a quem lhes emprestou as verbas que nos fazem agora não ter os aumentos que era justo que pudéssemos ter?", questionou Rio.

Segundo o líder do PSD, "repor o poder de compra dos funcionários públicos custaria 300 milhões de euros" e "só na CGD e no Novo Banco o Estado meteu um total de oito mil milhões de euros", o que "são 25 vezes mais do que os 300 milhões de euros".

"Os funcionários públicos vão ver, mais uma vez, o seu poder de compra reduzido. O Governo repôs os cortes [nos salários] . Mas os salários sofreram uma erosão acumulada com a inflação. Há que tirar uma conclusão: não há nenhum milagre económico nem a economia nacional é fluorescente", afirmou.

Programa de Estabilidade "pinta Portugal e a economia de tintas cor-de-rosa com algum toque de vermelho"

"De acordo com as previsões do Governo, podemos ter uma certeza absoluta: se correr bem, daqui a cinco anos Portugal está mais atrasado do que hoje em relação à média comunitária", afirmou.

"Se lhes correr bem, temos a certeza de que vamos ficar pior", frisou.

Segundo Rui Rio, o crescimento de 2,3% assinalado pelo Governo não se deve a reformas por ele implementadas, mas "ao poder de arrasto da economia mundial, que está a crescer, por mérito dos empresários e não das políticas públicas".

Para Rio, o governo socialista fez com o IRC - Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas "o contrário do que deve ser feito".

"O Governo devia baixar o IRC, até devido a um acordo feito com o PSD quando este ainda governava. Mas este Governo aumentou o IRC em 2%. Assim não pode pedir mais investimento às empresas", notou o líder do PSD.

Esclarecendo que a subida no IRC é superior para empresas com "mais de 35 milhões de euros de lucro", Rio vincou que, com isto, o governo do PS está "a dizer às empresas que não cresçam".

JOSE COELHO

"O lucro não é mau. É o lucro que faz andar a economia e paga salários", frisou.

Admitindo uma diminuição no desemprego, o social-democrata alertou para que "o emprego tem crescido mais do que o produto", pelo que "a produtividade está a baixar" e os salários pagos são "mais baixos".

"Está-se a criar emprego de baixo perfil, de baixos salários, e não empregos de qualidade", lamentou.

No Programa de Estabilidade apresentado na sexta-feira, o Governo reviu em baixa a meta do défice deste ano para 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB), face aos 1,1% inscritos no Orçamento do Estado para 2018.

O executivo reviu em alta a estimativa de crescimento económico para este ano, de 2,2% para 2,3%, e anunciou uma previsão de taxa de desemprego de 7,6%, de taxa de inflação de 1,4% e uma descida da dívida pública para 122,2% do PIB,

Em 2017, a economia portuguesa cresceu 2,7% e o emprego avançou 3,3%. O défice orçamental ficou nos 0,9% do PIB, sem a contabilização da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), operação que fez subir o indicador para 3%.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59