Economia

1º Prémio europeu para piores subsídios aos combustíveis fósseis vai para Aljezur

Ainda este sábado, 14 de abril de 2018, dezenas de pessoas protestarem em Lisboa contra a prospeção de petróleo ao largo da costa portuguesa

Rafael Marchante

A atribuição da licença para pesquisa de petróleo ao largo de Aljezur, no Algarve, foi considerada o pior subsídio a combustíveis fósseis na Europa, distinção contrária à imagem de país que pretende ser neutro em carbono.

Ainda este sábado, 14 de abril de 2018, dezenas de pessoas protestarem em Lisboa contra a prospeção de petróleo ao largo da costa portuguesa

Ainda este sábado, 14 de abril de 2018, dezenas de pessoas protestarem em Lisboa contra a prospeção de petróleo ao largo da costa portuguesa

Rafael Marchante

Entre os oito países selecionados para votação final à escala europeia, "em primeiro lugar, com a medalha de ouro, ficou Portugal", com o furo de prospeção de petróleo na zona de Aljezur, disse hoje à agência Lusa o presidente da Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero.

É a segunda vez que a Rede Europeia para a Ação Climática (CAN Europa), que junta 140 organizações de mais de 30 países e a que pertence a Zero, promoveu o prémio europeu para os piores subsídios aos combustíveis fósseis (European Fossil Fuel Subsidies Awards 2018).

"Considerou-se que a atribuição da licença correspondente ao título de utilização privativa do espaço marítimo" ao largo de Aljezur, "configurava claramente uma situação de estímulo ao uso de combustíveis fósseis no futuro" pelo Governo português, explicou Francisco Ferreira.

Trata-se da licença ao consórcio Galp/Eni para realizar uma sondagem de pesquisa ao largo de Aljezur e eventualmente prosseguir com a exploração de petróleo.

As organizações ambientalistas identificaram situações em cada um dos países que podiam ser candidatas à edição de 2018 do prémio europeu e, na fase final, ficaram França, Espanha Itália, Noruega, Áustria, Bulgária e Polónia, além de Portugal, seguindo-se uma votação 'online'.

O pódio é ainda ocupado pela Polónia, classificada em segundo lugar pelo incentivo a centrais de carvão obsoletas, e por Espanha, em terceiro lugar, por subsidiar a utilização de carvão nas ilhas Baleares, "bloqueando o desenvolvimento da produção de eletricidade a partir da energia solar", segundo informação da Zero.

A atribuição deste primeiro prémio a Portugal "vai ter uma enorme visibilidade à escala europeia e vai ser dramático do ponto de vista dos decisores políticos, nomeadamente em Bruxelas, e muito embaraçoso para o nosso país", salientou o presidente da Zero.

Por um lado, justificou, Portugal "é visto como estando na frente do combate às alterações climáticas, um dos países mais ambiciosos no que respeita à eficiência energética, às renováveis, a bater recordes nessa matéria e a receber elogios internacionais".

Portugal "é o país que recebe uma medalha de ouro evocando o investimento que vai começar a ser feito em combustíveis fósseis, completamente contrário àquilo que tem sido a imagem de marca de Portugal, nomeadamente ao procurar ser neutro em carbono em 2050", criticou o especialista em alterações climáticas.

"Esta 'distinção' traz o reconhecimento de que o Governo tem ignorado a opinião pública que se tem manifestado em enorme número, principalmente na zona do sudoeste alentejano e no Algarve, contra a prospeção e exploração de petróleo e gás em Portugal", defendeu ainda o presidente da Zero.

Para Francisco Ferreira, "é inaceitável que o Governo continue a favorecer o acesso das companhias petrolíferas, quer nacionais, quer estrangeiras, à área de exploração marítima e de conservação marítima que deve ser devidamente preservada".

"É do mais contraditório e prejudicial à imagem do país, com responsabilidades diretas deste Governo que não cancelou a possibilidade de se iniciar este processo de prospeção de petróleo em Aljezur", resumiu o investigador.

A prospeção de petróleo na costa vicentina tem a oposição de autarcas, da Região de Turismo do Algarve e de dezenas de associações locais e nacionais, e "foi já chumbada de forma inequívoca em duas consultas públicas" realizadas à população e às autarquias, segundo a Zero.

Com Lusa

  • Marcha contra furo de petróleo em Aljezur
    2:22

    País

    Em defesa do clima e contra a prospeção de petróleo e gás natural no Algarve e Alentejo, realizou-se este sábado, em Lisboa, uma marcha que reuniu organizações ambientais, movimentos cívicos, autarcas e partidos políticos. Os manifestantes alertaram para os riscos ambientais e ecológicos que a prospeção de petróleo provoca.

  • Cidadãos protestam contra exploração de petróleo e gás no Algarve
    5:47

    País

    Uma marcha pacífica contra a exploração de gás e petróleo, na costa do Algarve e no litoral alentejano, realizou-se esta quarta-feira, em Lagos. A repórter da SIC, Conceição Ribeiro, esteve no local, onde falou com uma das organizadores da manifestação, que disse que um dos objetivos é exigir uma avaliação de impacto ambiental e sessões de esclarecimento para os cidadãos. "A Revolta da Santola" é o nome dado ao protesto contra o primeiro furo de prospeção em Aljezur.

  • Nova fundação quer uma "geração azul" em Portugal
    3:33

    País

    A Fundação Oceano Azul, apresentada oficialmente esta sexta-feira, quer criar uma "geração azul", através de programas de educação para os oceanos que incluam todos os alunos do 1º ciclo. Um objetivo que o Presidente da República subscreveu. Marcelo Rebelo de Sousa disse mesmo que a educação ambiental deveria começar no pré-escolar. Numa altura em que foi atribuída uma licença para a realização de um furo de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, questionado pela SIC, o Presidente afirmou que a aposta no oceano "passa pela exploração de recursos naturais sem afetar a sustentabilidade" e que se tem de "procurar um equilíbrio".

  • Autarcas, empresários do comércio e turismo e ecologistas contra a exploração de petróleo no Algarve
    2:24

    País

    Presidentes das câmaras municipais do Algarve, empresários dos setores do comércio e do turismo e ambientalistas marcaram posição conjunta esta quinta-feira, em Loulé, contra a prospeção e exploração de petróleo ao largo do Algarve. Exigem uma audiência urgente com o primeiro-ministro e consideram que, se o Governo não voltar atrás na licença concedida para prospeção e exploração de petróleo ao largo de Aljezur, será uma declaração de guerra ao Sul do país. O consórcio formado pela ENI e pela GALP prevê realizar o furo a cerca de 40 quilómetros da costa, em maio de 2018.

  • Licença para furar ao largo de Aljezur suscita perguntas do Bloco ao Governo
    2:42

    País

    O Bloco de Esquerda quer saber com que fundamento a ministra do Mar anunciou em setembro do ano passado que o furo ao largo de Aljezur se iria realizar este ano. O título atribuído em janeiro ao consórcio ENI/GALP, para fazer um furo de prospeção de petróleo, já tinha suscitado crítica unânime das associações cívicas e dos autarcas dos municípios abrangidos que se opõem à prospeção e exploração de petróleo em terra e no mar.

  • PAN apela à fiscalização da lei que impede autarquias de abater animais sem dono
    2:25

    País

    A partir de 23 de setembro, as câmaras municipais deixarão de poder abater animais errantes, os chamados vadios, sem dono. O PAN alerta para a necessidade de fiscalização, numa altura em que 145 municípios portugueses ainda não dispõem de centros de recolha oficial, nem estabeleceram protocolos com outras entidades, o que resulta no abate de milhares de animais.