Economia

Novos créditos ao consumo aumentam 16,4% em fevereiro

(Arquivo)

Rafael Marchante

O montante de novos créditos ao consumo aumentou 16,4% em fevereiro em termos homólogos, com um total de 573 milhões de euros a serem emprestados, divulgou esta segunda-feira o Banco de Portugal (BdP).

De acordo com os dados sobre a evolução dos novos créditos aos consumidores relativos ao mês de fevereiro, o montante dos novos créditos ao consumo automóvel cresceu 22,2% face ao mesmo mês de 2017, somando 225 milhões de euros.

No mês em análise, o montante dos novos créditos ao consumo pessoal cresceu 15,2% para 261 milhões de euros, enquanto o dos cartões de crédito e a descoberto aumentou 6,5% para 88 milhões de euros.

Em quantidade, o número total de novos créditos ao consumo aumentou 7,2%, para 124.082: o número de novos créditos ao consumo automóvel aumentou 18,0%, totalizando 16.007, os novos empréstimos ao consumo pessoal subiram 15,0% para 39.034 e os novos contratos de cartões e descoberto cresceram 1,1% para 69.041.

Lusa

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34