Economia

Centeno lembra que nunca disse "nunca" aos aumentos na função pública em 2019

Centeno lembra que nunca disse "nunca" aos aumentos na função pública em 2019

Mário Centeno deixa a porta entreaberta à possibilidade de aumentos na função pública ao afirmar que nunca usou a palavra "Nunca". Em entrevista à TSF, o ministro das Finanças lembra, no entanto, que independentemente de haver ou não aumentos reais nos ordenados, o descongelamento das carreiras vai prosseguir e que só isso já vai representar uma subida nos rendimentos dos trabalhadores do Estado.

Aumentar os salários da função pública pode custar ao Estado português mais de 300 milhões de euros por ano. É o resultado das contas, feitas pelo Jornal de Notícias, tendo como referência uma subida de 1,4% nos ordenados, em linha com a inflação prevista em 2019.

Os sindicatos queixam-se que a função pública perdeu quase 12% do poder de compra desde 2010.

A última atualização nos salários da administração pública foi de 2,9%, em 2009.
A próxima pode afinal acontecer já no próximo ano.

Na entrevista à TSF, Mário Centeno lembra ainda que este Governo tem feito reformas em várias áreas da Administração Pública, explica que estão previstas novas admissões e não afasta a possibilidade de aumentos nos salários dos trabalhadores do Estado em 2019.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34