sicnot

Perfil

Economia

Juncker lembra a Macron que UE não se resume ao eixo franco-alemão

Jean-Claude Juncker no Parlamento Europeu.

Vincent Kessler

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, advertiu hoje no Parlamento Europeu que a União Europeia não se resume a França e Alemanha, durante um debate sobre o Futuro da Europa com o Presidente francês, Emmanuel Macron.

"Sei a importância que atribui à amizade franco-alemã e, por razões geográficas e históricas, sou muito a favor da aproximação entre os dois países, mas não esqueçamos que a Europa não é só franco-alemã. Nós somos 28, amanhã 27 (com a saída do Reino Unido). É preciso também o contributo dos outros para que o motor possa funcionar. Não somos apenas franceses e alemães", declarou Juncker, que interveio logo a seguir à intervenção de Macron.

O presidente do executivo comunitário disse também desejar que "todos em conjunto" trabalhem para que "este fosso que divide a Europa entre Leste e Ocidente seja preenchido por uma ambição comum".

"Creio que a sorte da Europa não pode consistir na divisão e em virar uns contra os outros. A Europa é um todo", declarou.

Macron tem mantido reuniões de trabalho regulares com a chanceler alemã Angela Merkel -- por vezes ambos dão mesmo conferências de imprensa conjuntas por ocasião das cimeiras de chefes de Estado e de Governo da UE - e na quinta-feira tem agendado novo encontro com Merkel, em Berlim.

Em resposta, na sua intervenção final, o chefe de Estado francês manifestou-se surpreendido com as várias referências durante o debate - também de diversos eurodeputados, não só Juncker - ao chamado eixo franco-alemão.

"Foram muitos a falar do eixo franco-alemão. Ninguém me ouviu falar do eixo franco-alemão no meu discurso e, por isso, estou surpreendido com a vossa reação", começou por referir, para de seguida justificar a importância de Paris e Berlim tentarem concertar posições.

"Atribuo de facto importância à relação com a Alemanha, mas nunca considerei que a Europa se esgote aí. Sei simplesmente, pela História, que se não houver um mínimo de acordo entre França e Alemanha perdemos muito tempo a avançar e a levar a Europa na boa direção", disse.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59