Economia

Ryanair espera impacto limitado da greve por "maioria dos pilotos estar a trabalhar"

Boris Roessler

A companhia aérea Ryanair disse hoje esperar impactos limitados da greve convocada por um grupo de pilotos irlandeses, após os 30 voos já cancelados, uma vez que "a maioria" destes profissionais "está a trabalhar normalmente".

"Boas notícias: todos os nossos 26 primeiros voos do dia desde a base de Dublin partiram a tempo esta manhã e permitiram que muitas famílias pudessem viajar durante as suas férias, isto graças ao esforço da maioria dos nossos pilotos, que estão a trabalhar normalmente", informa a empresa, através de uma publicação feita há cerca de uma hora na rede social Twitter.

Numa outra publicação, a companhia informa sobre atrasos registados em 91 voos de um total de 436 voos esta manhã, mas atribui tal situação a perturbações causadas pelos "controladores aéreos em França, Alemanha, Espanha e no Reino Unido".

"Pedimos sinceras desculpas por estes atrasos injustificados e estamos a dar o nosso máximo para minorar o impacto nos voos durante o resto do dia", afirma a empresa, adiantando que os passageiros foram alertados por mensagem de texto e e-mail.

Também através daquela rede social, a Ryanair indica, numa publicação feita esta manhã, que "respeita, mas lamenta, a decisão de 25% dos pilotos irlandeses que entraram em greve"

"Acreditamos que eles deveriam aceitar a nossa proposta para que possamos resolver os problemas" que levaram à paralisação, acrescenta a companhia, aludindo ao documento apresentado na quarta-feira ao grupo de pilotos que convocou a paralisação.

Na quarta-feira, a Ryanair divulgou, também pelo Twitter, que apresentou a este grupo de pilotos a possibilidade de criar um "grupo de trabalho para explicar e negociar quaisquer questões decorrentes das propostas escritas feitas pela empresa sobre o reconhecimento, a antiguidade, as transferências de base e o novo sistema de férias anuais".

"Lamentavelmente, não foi possível chegar a acordo sobre esta solução sensata após sete horas de conversa", precisa a companhia.

Um grupo de pilotos da Ryanair aprovou, no início de julho, uma greve de 24 horas para esta quinta-feira, devido à falta de progressos nas negociações com a companhia aérea sobre as suas condições de trabalho.

A decisão foi adotada por "99%" dos pilotos contratados diretamente pela Ryanair, que são filiados na Associação dos Pilotos da Irish Airlines (IALPA), cerca de cem, segundo fontes deste grupo citadas, na altura, pela agência noticiosa Efe.

Após meses de negociações, a IALPA diz que a empresa não está a "levar a sério" as exigências dos pilotos e que não houve progressos suficientes em relação à melhoria salarial e condições de trabalho.

Na quarta-feira, a Ryanair já tinha estimado um impacto limitado desta greve, informando, contudo, sobre o cancelamento de 30 voos na Irlanda e no Reino Unido.

"Graças ao esforço da maioria dos pilotos irlandeses, a Ryanair espera interrupções limitadas, além de 30 voos na Irlanda e no Reino Unido já cancelados, cujos clientes foram já alertados" e tiveram as situações tratadas, referia a empresa através do Twitter.

De acordo com a legislação em vigor, em caso de cancelamento ou atraso significativo, a Ryanair é obrigada a apresentar uma rota alternativa aos passageiros, a reorganizar a reserva para outra data ou a reembolsar o valor do bilhete.

Questionado pela Lusa, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) estimou que a greve dos pilotos da Ryanair na Irlanda não teria grande impacto em Portugal.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16