sicnot

Perfil

Madeleine McCann

Paulo Rebelo substitui Gonçalo Amaral na PJ de Portimão

Paulo Rebelo, com carreira no combate à droga e na Directoria de Lisboa, é o substituto de Gonçalo Amaral, afastado da coordenação do Departamento de Investigação Criminal (DIC) de Portimão, que investiga o "caso Maddie", confirmou fonte da PJ.

Paulo Rebelo ocupava as funções de director nacional adjunto. O novo responsável pelo DIC de Portimão da PJ fez carreira na Direcção Central de Investigação ao Tráfico de Estupefacientes (DCITE) e esteve à frente da Directoria de Lisboa durante a investigação de pedofilia que resultou "no processo Casa Pia".



Paulo Rebelo esteve também na condução do inquérito à fuga de informação relativa ao caso Freeport, de Alcochete.



Gonçalo Amaral foi afastado dia 2 de Outubro das funções de coordenador do DIC da PJ de Portimão depois de declarações feitas ao Diário de Notícias em que acusava a polícia inglesa de favorecer o casal McCann nas investigações sobre o desaparecimento da sua filha Madeleine.



No mesmo dia, o director nacional da PJ, Alípio Ribeiro, considerou "óbvias" as razões que o levaram a tomar a decisão de afastar Gonçalo Amaral de coordenador do Departamento de Investigação Criminal de Portimão da PJ e do caso Madeleine McCann.



"Fiz cessar a comissão de serviço de Gonçalo Amaral em Portimão. As razões pelas quais dei esse despacho parecem-me óbvias" , disse aos jornalistas Alípio Ribeiro, numa aparente referência às polémicas declarações de Gonçalo Amaral ao Diário de Notícias desse dia.



O coordenador da investigação do caso da menina inglesa desaparecida no Algarve acusou, em declarações publicadas pelo Diário de Notícias, a polícia inglesa de investigar "unicamente" pistas e informações "trabalhadas" pelos pais de Madeleine McCann.



"A Polícia britânica tem estado unicamente a trabalhar sobre aquilo que o casal McCann pretende e lhe convém" , disse Gonçalo Amaral, quando comentava a notícia publicada no dia 1 de Outubro em vários jornais ingleses dando conta de um email anónimo enviado para o site oficial do príncipe Carlos que acusa uma ex-empregada do Ocean Club, empreendimento da Praia da Luz de onde desapareceu a criança de quatro anos, de ter raptado a menina por vingança.



Gonçalo Amaral disse ao DN que tal informação não "tem qualquer credibilidade para a polícia portuguesa" , estando "completamente posta de parte" .



Acrescentou que os seus colegas ingleses "têm vindo a investigar dicas e informações criadas e trabalhadas pelos McCann, esquecendo-se que o casal é suspeito da morte da sua filha Madeleine" .



Para o até agora responsável pelo DIC de Portimão da PJ, a história do rapto por vingança não passa de "mais um facto trabalhado pelos McCann" .



O Ocean Club "está situado na Praia da Luz e não em Londres, o que significa que tudo o que diga respeito ao aldeamento e respectivos funcionários já foi ou está a ser investigado pela Polícia Judiciária" , adiantou, garantindo que não será um "email, ainda por cima anónimo, que é fácil saber de onde partiu, que vai distrair a linha de investigação" da PJ.



Madeleine McCann desapareceu de um apartamento da Praia da Luz, no Algarve, onde passava férias com os pais e os irmãos a 3 de Maio.



Depois de a PJ ter investigado a tese de rapto, os pais da menina, Kate e Gerry McCann, foram constituídos arguidos a 7 de Setembro, tendo abandonado o país dois dias depois.



Kate e Gerry McCann são, segundo os seus porta-vozes, suspeitos de homicídio involuntário e de ocultação de cadáver.



Os McCann não deixam, no entanto, de clamar a sua inocência e apelam à continuação das buscas para tentar encontrar a sua filha, agora com quatro anos de idade.



Com Lusa

  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.