sicnot

Perfil

Face Oculta

MP pede condenação de Manuel Godinho e outros dois arguidos por corrupção

O Ministério Público (MP) pediu hoje, no Tribunal de Aveiro, a condenação do sucateiro Manuel Godinho e outros dois arguidos por um crime de corrupção, num processo que resultou de uma certidão extraída do caso Face Oculta.

Manuel Godinho (à direita)

Manuel Godinho (à direita)

LUSA (Arquivo)

O julgamento é uma repetição e diz respeito a factos que remontam a 2009, quando Manuel Godinho terá mandado a sua então secretária pessoal entregar 2.500 euros a um vigilante da natureza da Administração da Região Hidrográfica do Centro, para evitar a fiscalização de uma extração ilegal de areias na Quinta dos Ananases, em Ovar.

Nas alegações finais, o procurador da República, Carlos Filipe, disse ter ficado provado que o vigilante da natureza, a troco de promessas patrimoniais ou não patrimoniais, informou Manuel Godinho das ações de fiscalização promovidas pela Administração da Região Hidrográfica do Centro das quais poderia ser alvo a atividade das empresas por si administradas.

"Dúvidas não nos assaltam de que se mostram preenchidos os elementos típicos objetivos e subjetivos dos tipos legais de crime por corrupção passiva e ativa pelos quais os arguidos se acham acusados", disse.

O procurador defendeu ainda a perda a favor do Estado dos 2.500 euros alegadamente recebidos pelo vigilante da natureza.

Do lado da defesa, o advogado de Manuel Godinho, o qual não compareceu na audiência por motivos de saúde, disse ter ficado com dúvidas quanto à localização exata da Quinta dos Ananases, uma questão que considerou "essencial" para este processo.

Artur Marques, que também defende a então secretária pessoal do sucateiro, considerou que a acusação do MP não passa de "pura especulação" e um "devaneio total", alegando que a ação de fiscalização de que se fala no processo "não tem rigorosamente nada a ver com as empresas de Manuel Godinho".

"A luta pela condenação destes arguidos, que já foram absolvidos uma vez, é uma luta inglória que esbarra na total ausência de prova", disse o causídico, pedindo a absolvição dos seus clientes.

O advogado do vigilante da natureza realçou, por seu lado, que este "não tinha competência para fiscalizar a extração de inertes".

"Parece-nos um ato impossível tentar corromper alguém para não pratique um ato para o qual não tem competências para o fazer", frisou o causídico, pedindo igualmente a absolvição do seu cliente.

Durante o julgamento, os três arguidos remeteram-se ao silêncio.

A leitura do acórdão ficou marcada para 26 de fevereiro, pelas 14:00.

Em dezembro de 2013, os três arguidos foram absolvidos da prática de um crime de corrupção porque, segundo o coletivo de juízes, não se provou a tese de que a ação fiscalizadora tenha sido ordenada, mas não efetuada, a troco de dinheiro.

Inconformado com a decisão, o Ministério Público recorreu para o Tribunal da Relação do Porto que mandou repetir o julgamento, considerando que a prova produzida e examinada durante o julgamento "impõe conclusão diversa" do acórdão recorrido.

Em setembro de 2014, Manuel Godinho foi condenado no âmbito do processo "Face Oculta" a uma pena única de 17 anos e meio de prisão, em cúmulo jurídico, por 49 crimes de associação criminosa, corrupção, tráfico de influência, furto qualificado, burla, falsificação e perturbação de arrematação pública.

Mais recentemente, no passado mês de novembro, foi condenado a mais dois anos e meio de prisão efetiva, por subornar um ex-funcionário da antiga Rede Ferroviária Nacional (Refer), também condenado no mesmo processo.

O empresário de Ovar aguarda em liberdade o desfecho dos recursos dos dois acórdãos interpostos pela sua defesa.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC