sicnot

Perfil

Especiais

Sampaio da Nóvoa aponta sinais positivos de recuperação

O candidato presidencial Sampaio da Nóvoa considerou hoje que já existem sinais muito positivos de recuperação do "retrocesso grave dos últimos anos", mas advertiu que há ainda muitas dificuldades pela frente e "muito caminho a percorrer".

"Houve um retrocesso grave dos últimos anos e estamos agora a tentar recuperar desse retrocesso e a tentar repor Portugal no caminho certo do ponto de vista do que são as políticas, do que é a dignidade das pessoas, do que é uma política com futuro", afirmou Sampaio da Nóvoa, quando questionado se partilha do otimismo do primeiro-ministro, António Costa, que, num artigo de opinião publicado hoje, diz que o Orçamento do Estado para 2016 vai reverter o empobrecimento.

Contudo, acrescentou, apesar dos "sinais muito positivos" dados pelas medidas anunciadas pelo executivo socialista de António Costa e pela cultura de diálogo e compromisso que se está a instituir na sociedade e na política, Portugal tem ainda muitas dificuldades pela frente.

"Temos muito caminho a percorrer, mas sente-se que há um novo tempo que se está a abrir e espero que esse novo tempo se consolide também em sede das eleições presidenciais", sublinhou o candidato às eleições presidenciais de 24 de janeiro, que promete ser, "em todas as circunstâncias" um fator de estabilidade e segurança.

Interrogado se em nome da estabilidade irá, caso seja eleito, apoiar todas as medidas do Governo, Sampaio da Nóvoa advogou que um chefe de Estado tem de ter "um mapa de futuro na cabeça" e ser portador de causas e valores de futuro.

E, continuou, tem de ser capaz de interpretar esses valores com os portugueses, as forças sociais e políticas e ser, em cada momento, um elemento de promoção de um país capaz e que não desperdiça as pessoas, dando-lhes condições para desenvolver os seus projetos de vida.

Sampaio da Nóvoa, que falava aos jornalistas no final de uma visita ao "Complexo da Sagrada Família" da Santa Casa da Misericórdia da Amadora, na Buraca, no concelho da Amadora, recusou ainda incluir-se no grupo dos políticos que não conhecem o país real, referido pelo atual Presidente da República na mensagem de Ano Novo.

"O conhecimento que um professor tem do país é um conhecimento muito forte, porque conhece as pessoas concretas, estudantes, famílias, pais, contacta com eles todos os dias e está num lugar que é central para o futuro do país, que é o lugar de dar futuro a este país", disse, defendendo a necessidade de existir uma maior preparação do país.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Sol influencia alterações climáticas na Terra

    Mundo

    As flutuações da atividade solar têm um efeito sobre o clima da Terra, concluiu um estudo de investigadores suíços, que conseguiu, pela primeira vez, estimar a influência do Sol no aquecimento do planeta.