sicnot

Perfil

40 Anos / 25 Abril

40 Anos / 25 Abril

40 Anos / 25 Abril

Desclassificados documentos secretos dos EUA sobre Verão Quente de 1975

O Departamento de Estado e os serviços secretos norte-americanos aprovaram o seu primeiro plano de operações clandestinas para Portugal a 27 de setembro de 1974, para "evitar a tomada do poder pelos comunistas". Esta é a primeira vez que, 40 anos depois da revolução portuguesa, o Departamento de Estado norte-americano revelou, ainda que parcialmente, documentos e parte dos debates "on the record" no Comité dos 40, organismo que supervisionava operações clandestinas e incluía os serviços secretos, a CIA.

António de Spínola

António de Spínola

Associated Press

Grande parte de nomes de personalidades políticas, partidos e organizações  portuguesas envolvidas nas operações, que nunca são descritas ao pormenor,  continuam a ser segredo por questões de segurança e foram apagados na versão  agora "desclassificada".  

O lote de documentos é grande e foi publicado no volume do departamento  histórico do Departamento de Estado sobre a política externa norte-americana,  referente aos anos de 1969-1977 (Foreign Relations of the United States  - Volume E-15, part II).  

A primeira proposta de "operações políticas" do Comité dos 40 tem a  data de 27 de setembro, um dia antes da frustrada manifestação da maioria  silenciosa de 28 de setembro, inspirada por António de Spínola, primeiro  presidente após o golpe do Movimento das Forças Armadas (MFA), e que antecipou  a sua demissão, a 30 de setembro.  

Esta proposta inicial incluía planos específicos, não revelados ainda  hoje, para a campanha das primeiras eleições livres para a Assembleia Constituinte,  mas também ações para influenciar os militares do MFA.  

A demissão de Spínola, em que alertou para novas formas de totalitarismo,  e o ascendente das forças de esquerda levou Kissinger a concluir que havia  agora uma "coordenação estreita" entre o MFA e os comunistas.  

Num memorando de outubro de 1974 destinado a Kissinger, fala-se em "fortalecer  o PS" e em ajudar a "desenvolver um partido centrista que atuasse em coligação  com os socialistas para derrotar o PCP".  

Mas é a 20 de janeiro de 1975 que a administração de Gerald Ford, numa  reunião, decidiu avançar com um renovado plano de operações clandestinas  para Portugal - "quer haja ou não fugas de informação", nas palavras do  presidente Gerald Ford.  

Henry Kissinger chegou a defender que a CIA devia "infiltrar" o MFA  e lembrou que ter defendido um "plano de ações clandestinas massivo" desde  há meses.  

Em março, um memorando de ações do Comité dos 40 foi chumbado pelo Departamento  de Estado pelo risco de fugas de informação para os jornais.  

Uma das ações passava por canalizar fundos para os partidos "não comunistas"  portugueses por parte dos aliados europeus, incluindo verbas da CIA, mas  também "expor as atividades subversivas" do PCP.  

E é já depois das eleições para a Constituinte de 25 de abril de 1975,  ganhas pelo PS e em que o PCP recolheu 12% dos votos, que o Comité dos 40  faz mais um documento a propor "proteger os ganhos dos moderados" nas eleições.

São recomendados mais apoios aos partidos, cooperação com "os europeus"  para canalizar fundos para Portugal, influenciar o MFA a "tomar decisões  democráticas". A CIA sugeria que se organizasse uma "campanha mediática  para mostrar a desaprovação internacional da eliminação dos processos democráticos".

  • Pescador desaparecido no rio Minho, em Alvaredo, Melgaço

    País

    O pescador desapareceu na noite deste sábado no rio Minho, em Alvaredo, no concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo. Segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil estão envolvidos nas buscas 15 operacionais e quatro viaturas.

  • Portugal vai testar capacidade de resposta a ciberataque
    0:22

    País

    O exercício está marcado para os dias 09 e 10 de maio e é o primeiro a nível nacional a testar um ciberataque em Portugal. O teste é organizado pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) para apurar "o "grau de preparação" das várias entidades públicas e privadas, mas já conclusões a ter em conta. Segundo o coordenador do CNCS, Pedro Veiga confirma-se tendência para os ataques serem cada vez mais sofisticados e é preciso alertar a população para o que publicam na internet e se pode colocar em risco a privacidade e a segurança.