sicnot

Perfil

O caminho mais longo para o Alasca

O caminho mais longo para o Alasca

O caminho mais longo para o Alasca

Os viajantes

Alex Bissell, João Pedro Carvalho e Fernando Vaz têm 22 anos e são amigos há mais uma década. Consideraram esta a altura certa para uma pausa antes da entrada no mercado de trabalho. Decidiram entrar juntos numa aventura: viajar pelo mundo à boleia. Os planos de viagem acabam por ser alterados, alguns desvios são feitos e, por vezes, separam-se. Porque se um quer fazer surf ou mergulho numa praia australiana, não há que impedir o outro de conhecer Myanmar ou a Ilha de Páscoa.

Fernando Vaz já tem o percurso profissional quase definido. Licenciado em Gestão, depois da viagem, segue-se um curso de piloto em Inglaterra ou Singapura. A sede de viajar foi herdada do pai que trabalha na área da aviação e, por isso, confessa ter algumas vantagens. Antes da aventura com os amigos, estudou na Nova Zelândia e conheceu a Austrália, onde fez a primeira experiência à boleia. Na grande mochila que o acompanha, além do essencial, leva a camisola do Benfica porque "da mesma maneira que não pode faltar o cruxifixo a um cristão", a camisola do Benfica não é para ficar em Portugal. Para ele a viagem deverá terminar em agosto, não sem antes comer uma focaccia em Recco, Itália.

João Pedro Carvalho é licenciado em Geografia. Sabe que quer continuar os estudos mas não tem nada definido. Até lá, prefere viver o momento. Com o orçamento mais limitado, quer prolongar a estadia nos EUA, arranjar trabalho e conhecer melhor o país. Ao contrário do amigo, não tem planos para depois da viagem. Amante de aventura, mergulho e surf, vai tendo a oportunidade de desfrutar do desporto durante a viagem. Ao longo dos últimos meses vivenciou situações que poderiam levá-lo a perder o controlo. Não aconteceu, afinal, é o mais calmo do grupo. Para ele a viagem não tem data para terminar mas o regresso a Portugal não poderá acontecer sem antes conhecer o Canadá.

Alex Bissell estuda Gestão Hoteleira em Glasgow, na Escócia. Motivado pelos amigos para embarcar na aventura, foi o pai quem mais o incentivou a conhecer o mundo antes de entrar no mercado de trabalho. Depois da viagem, vai terminar o último ano do curso e aprender mandarim. O seu objetivo passa por viver e trabalhar na China. Amante de artes marciais não tem tido a oportunidade de praticar a modalidade mas assistiu a lutas na Tailândia. "Fiquei chocado com um festival amador, que assistimos em Bangkok, onde duas crianças, com cerca de 7 anos, lutavam em vez de adultos. Via-se que estavam ali por necessidades financeiras", conta indignado. Para ele a viagem termina em agosto, não sem antes visitar o "Magic Bus", autocarro do filme "Into the Wild".

Conheça mais na página do Facebook: The Longest Way to Alaska

Bárbara Gonzalez Gomes

  • A viagem

    O caminho mais longo para o Alasca

    The Longest Way to Alaska é a viagem de três jovens portugueses. Estão juntos numa volta ao mundo e, sempre que possível, andam à boleia. Começaram em novembro, em Londres, e já passaram em 12 países. De Inglaterra ao Sri Lanka, de Myanmar ao Laos, sem esquecer a Austrália, a Nova Zelândia, os EUA e a Islândia. Têm vivido histórias surpreendentes com pessoas que, provavelmente, nunca voltarão a encontrar. Ou, quem sabe, talvez as encontrem do outro lado do mundo.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.