sicnot

Perfil

Acidente aéreo na Colômbia

Acidente aéreo na Colômbia

Acidente aéreo na Colômbia

Atlético Mineiro recusa jogar com Chapecoense na última jornada do Brasileirão

© Fredy Builes / Reuters

O Atlético Mineiro recusou-se esta quinta-feira a enfrentar a Chapecoense na última jornada do campeonato brasileiro de futebol, depois de 19 jogadores desta equipa terem morrido num acidente de avião.

"Não disputaremos essa partida. Não iremos a Chapecó disputar o último jogo. Respeitamos o desporto, mas respeitamos o luto. Não podemos exigir isso a nenhum jogador", afirmou o presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno.

A posição do clube mineiro surge depois de a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ter feito uma petição à Chapoecoense no sentido de apresentar uma equipa contituída por jogadores das camadas jovens na última ronda, que foi adiada de 04 para 11 de dezembro, devido à queda do avião na Colômbia.

Nepomuceno anunciou que comunicou a decisão do Atlético à CBF e que o clube está disposto a assumir eventuais penalizações. "Provavelmente a maior sanção será a perda de três pontos. Isso não muda nada, mas é o mínimo que podemos fazer pelas famílias das vítimas, pela cidade e pelo país, que está a sofrer com isto", acrescentou.

O desastre provocou a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo, incluindo a maioria dos elementos da Chapecoense e acompanhantes, que se deslocavam para Medellín para defrontar a equipa colombiana do Atlético Nacional, na primeira mão da final da Taça Sul-americana.

Dos seis sobreviventes, três são jogadores da equipa de Chapecó, que continuam hospitalizados na Colômbia.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01