sicnot

Perfil

Acidente aéreo na Colômbia

Acidente aéreo na Colômbia

Acidente aéreo na Colômbia

Avião da Chapecoense não tinha combustível

© Jaime Saldarriaga / Reuters

As autoridades de aviação colombianas confirmaram hoje que o avião que transportava a equipa brasileira do Chapecoense e que caiu perto do aeroporto em Medellín, provocando 71 mortos, não tinha combustível no momento do impacto.

"Podemos garantir com toda a certeza que a aeronave não tinha combustível no momento do impacto e, por isso, foi aberto um processo de inquérito para determinar o motivo", disse o secretário de Segurança de Aviação Civil (Aerocivil) da Colômbia, Fredy Bonilla.

O avião, da companhia boliviana Lamia, caiu a 17 quilómetros do início da pista do aeroporto José Maria Córdova de Rionegro, que serve Medellin, provocando a morte a 71 dos 77 passageiros e tripulantes.

A falta de combustível, tal como é referido pelo piloto para a torre de controlo momentos antes da queda, é a hipótese que ganha consistência para explicar o acidente ocorrido em Cerro Gordo, perto de Medellín.

Fredy Bonilla lembrou que as normas internacionais exigem que uma aeronave tenha combustível suficiente para cobrir a rota e possua uma reserva adicional para aterrar, se necessário, num aeroporto alternativo.

Enquanto isso, o diretor do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses da Colômbia, Carlos Eduardo Valdes, disse que já foram identificados 59 corpos, sendo 52 brasileiros, cinco boliviano, um paraguaio e um venezuelano.

A Chapecoense ia disputar a primeira mão da final da Taça Sul-americana com os colombianos do Atlético Nacional, em Medellín, mas, na madrugada de terça-feira, em Cerro Gordo, na Colômbia, o avião em que seguia despenhou-se.

Entre as 71 vítimas, estão 22 jogadores do clube brasileiro, 22 dirigentes, membros da equipa técnica e convidados, 22 jornalistas e nove tripulantes, tendo sobrevivido seis pessoas, três jogadores, dois tripulantes e um jornalista.

Lusa

  • Três irmãos resgatados dos escombros em Itália
    1:24
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".

  • Governo quer entregar OE 2018 a 13 de outubro
    1:33
  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.