sicnot

Perfil

Agressões em Ponte de Sor

Governo diz que imunidade de iraquianos é "tema essencial" em reunião com Iraque

O ministro dos Negócios Estrangeiros português afirmou esta sexta-feira que o levantamento da imunidade diplomática dos filhos do embaixador do Iraque, envolvidos em confrontos, é um "tema essencial" a abordar com o seu homólogo do Iraque numa reunião ainda este mês.

Portugal pediu, a 25 de agosto, o levantamento da imunidade diplomática dos filhos do embaixador do Iraque em Portugal, na sequência das agressões a um jovem de Ponte de Sor, e solicitou, na semana passada, urgência na resposta das autoridades iraquianas, que responderam que o farão "no tempo adequado".

Questionado hoje pela Lusa, Santos Silva recordou que está prevista uma reunião com o seu homólogo iraquiano, à margem da próxima assembleia-geral das Nações Unidas, que decorre de 20 a 26 deste mês na sede da ONU, em Nova Iorque.

Este será, "para a parte portuguesa, um tema essencial", garantiu.

Questionado de que forma o executivo português vê a demora na decisão do Iraque, o ministro esclareceu que "não há um prazo fixo marcado nem na lei nem na praxe diplomática para a tramitação deste tipo de pedidos".

"Confiamos que as autoridades iraquianas formem a sua opinião e tomem a decisão tão depressa quanto possível", afirmou.

No dia 17 de agosto, Rúben Cavaco, de 15 anos, foi agredido em Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, pelos filhos do embaixador do Iraque em Portugal, gémeos de 17 anos.

O jovem alentejano sofreu múltiplas fraturas, tendo sido transferido no mesmo dia do centro de saúde local para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, tendo chegado a estar em coma induzido. O jovem acabou por ter alta hospitalar no passado dia 02.

Os dois rapazes suspeitos da agressão são filhos do embaixador iraquiano em Portugal, Saad Mohammed Ali, e têm imunidade diplomática, ao abrigo da Convenção de Viena.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite